Reportagem

Uma sede em cada terra e o desejo do candidato que subiu a uma igreja

Sampaio da Nóvoa já é reconhecido por onde passa. E responde a Marcelo: “Na nossa República, qualquer soldado raso pode chegar a general.”

Fotogaleria
Sampaio da Nóvoa já é reconhecido nas ruas, nas festas e nas feiras Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Quatro capitais de distrito em dois dias. Guarda, Viseu, Aveiro, Coimbra. É a essência de uma campanha eleitoral: passar por uma terra, conquistar simpatia, mostrar a implantação. Sampaio da Nóvoa cumpre o roteiro. Mas o relógio não pára e, ao segundo dia de campanha, o candidato viveu um dilema. Estava a ficar atrasado para o seu compromisso final, o jantar com mais de 500 apoiantes em Coimbra.

Ponderou alterar uma etapa, a inauguração da sede naquela cidade. “Problema”, disseram-lhe os seus apoiantes, ainda em Cantanhede, onde o candidato devia ir também inaugurar uma sede em Cantanhede.

E o candidato foi. Como foi à de Coimbra. Recebeu palmas, mas perdeu o horário nobre dos telejornais e atrasou o jantar. Em Coimbra, a mensagem procurou focar a candidatura: “Portugal já teve um presidente militar, quando a estabilidade do jovem regime democrático teve que ser conquistada a pulso. Teve vários presidentes vindos dos partidos, que consolidaram uma democracia madura. Quando a crise da participação cidadã é um dos maiores bloqueios e desafios que se colocam à nossa democracia, sabemos que chegou o tempo de um presidente cidadão. Esse tempo é agora.”

Nóvoa escolheu o tema da democracia para explicar por que considera que a falta de participação dos cidadãos está directamente relacionada com a frustração das suas expectativas: “A democracia tem de ser capaz de responder à crise de confiança sentida por cada vez mais cidadãos. Uma crise a que não é indiferente a grave e persistente crise económica. Mas onde também são visíveis sinais de cansaço com uma política velha.”

De manhã, em Oliveira de Azeméis, onde inaugurou (mais) uma sede, Nóvoa explicou que teme a abstenção. “Tenho dois adversários: a abstenção e Marcelo Rebelo de Sousa”, disse.

À noite, em Coimbra, nenhum dos seus adversários foi nomeado. Mas o final do discurso tinha uma referência clara a Marcelo, que o acusara, no debate televisivo da semana passada, de ser inexperiente e de querer “passar de soldado raso a general”.  A resposta veio assim: “Na nossa República, qualquer soldado raso pode chegar a general. É isso, de resto, que separa uma República de uma monarquia.”

Neste segundo dia de campanha, Nóvoa pôde confirmar que os debates produzem efeitos. A notoriedade do candidato, um dos riscos que a campanha teve de enfrentar desde o início, já não parece ser um problema. Na feira de Espinho, ou nas ruas de Aveiro, Nóvoa é reconhecido.

Lançar cavacas do alto da igreja
Domingos Coelho está a circular pelas bancas que vendem cavacas nas festas de São Gonçalinho, no centro de Aveiro. Ele próprio tem uma banca, mas a curiosidade leva-o a tentar encontrar o candidato. “Só tenho uma pergunta para lhe fazer: será que para ele 10 mil euros de reforma também não lhe chegam?”

A pergunta, que tem um grão de sal, porque relembra a polémica frase de Cavaco Silva sobre os seus rendimentos, não chega a ser feita. Mas explica por que Domingos simpatiza com Nóvoa. “É bom que venham pessoas de fora dos partidos. O Presidente mais honesto que já conheci chama-se António Ramalho Eanes e recusou receber mais dinheiro.”

O momento alto do dia de Nóvoa surgiu quase por acaso, a dois passos da banca de Domingos. Há uma tradição em Aveiro: pagar uma promessa lançando cavacas do alto da igreja de São Gonçalinho. Cá em baixo, quem apanhar as duras e pesadas cavacas tem direito a bons augúrios, se as conservar um ano, e não as comer. 

Lá em cima estão dezenas de lançadores, e há uma fila de gente com sacas de cavacas para lançar. Cá em baixo há gente com cestos feitos de rede, espécie de camaroeiros gigantes, para as apanhar. Nóvoa sobe a escadaria e desata a encestar cavacas. Recebe uma salva de palmas. Apesar de já ter vivido quatro anos em Aveiro, Nóvoa formulou um desejo depois de lançar as cavacas (o que não é exactamente o que diz a tradição): “Estar à altura” do desafio a que concorre.