Sampaio da Nóvoa: Votar em Marcelo é como “escolher uma rifa”

Candidato critica principais adversários por “desvalorizarem a Constituição”: “Se eu sou o candidato da inexperiência, de que nos serviu a experiência de Marcelo Rebelo de Sousa ou Maria de Belém?”.

Fotogaleria
Fotos Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Às 13h10, com uma forte salva de palmas dos cerca de 350 apoiantes que se juntaram na Quinta do Crestelo, em Seia, António Sampaio da Nóvoa deu início à sua campanha oficial. Dificilmente podia ser mais “republicana” a coreografia.

Seia é o concelho onde nasceu uma das principais figuras da primeira República portuguesa, Afonso Costa. A banda sonora à chegada do candidato é a do genérico da série da HBO, John Adams, o segundo Presidente dos EUA.

Nóvoa subiu ao palco, imediatamente, e prometeu que este é o início de uma caminhada que não termina a 24 de Janeiro, a data da primeira volta das presidenciais. Para o candidato, esta corrida passa também pela segunda-volta, no dia 14 de Fevereiro e só termina “no dia da posse”, em 9 de Março. O seu mandatário concelhio, João Viveiro, aproveitou a deixa: “Já que foi aqui que iniciou a sua caminhada, que seja aqui que venha aqui festejar a sua enorme vitória”.

O almoço, servido numa sala revestida a madeira, com 40 mesas redondas com 10 lugares, cada, dava direito ao famoso pão de Seia e a uma entrada de enchidos regionais (alheira, chouriço de sangue, chouriço de carne). O que falta a Seia, para Nóvoa, não é qualidade, é “atenção”. “O despovoamento do interior é um dos bloqueios mais persistentes que o país atravessa”, diz. “É preciso fixar emprego no interior.”

Na segunda parte do discurso, Nóvoa recorda os debates que manteve com Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém, na quinta-feira e no sábado, respectivamente.

“Votar em Marcelo é o mesmo que escolher uma rifa. Nunca se sabe o que nos irá calhar em sorte”, critica, depois de falar “dos Marcelos”  que vê no candidato adversário: “Será esse Marcelo que em campanha anda num namoro pegado com o Estado Social, ou o Marcelo que defendeu em 2010 o projecto de revisão constitucional de Passos Coelho que acabava com a gratuitidade na Saúde?”

Para Maria de Belém estava reservada a mesma crítica que lhe dirigiu no debate: “Faltou à chamada quando podia e o dever o exigia nada fez para preservar a Constituição” ao não ter, como deputada do PS, acompanhado os seus colegas de bancada que pediram (e obtiveram) a declaração de inconstitucionalidade do Orçamento de 2012, que iniciou os cortes nos salários e pensões. Por isso, Nóvoa conclui que tanto Marcelo como Belém “desvalorizaram a Constituição”.

Nóvoa voltou a rebater o argumento da sua “inexperiência” política –  usado por “quem vê a política como um clube fechado para os mesmos de sempre”. “Quando foi preciso”, continuou o candidato, “eu estive lá”. “Não faltei, não me escondi. Estive na Aula Magna, com Mário Soares e com Pacheco Pereira, a defender a Constituição e a soberania do país.”

“Se eu sou o candidato da inexperiência, de que nos serviu a tão grande experiência de Marcelo Rebelo de Sousa ou de Maria de Belém?” No final do discurso cantou-se A Portuguesa.

Sampaio da Nóvoa: Como levar o “tempo novo” para Belém?

Sugerir correcção