Cineastas apelam à libertação do realizador iraniano Keywan Karimi

Realizador de origem curda foi condenado em Outubro em Teerão, acusado de blasfémia.

Foto
Keywan Karimi Foto AFP

Um grupo de mais de 600 pessoas, entre as quais inúmeros realizadores e profissionais do cinema francês e belga, mas também de outros países em todo o mundo, endereçaram esta quinta-feira uma carta de apoio ao cineasta iraniano Keywan Karimi (n. 1985), condenado em Outubro passado por um tribunal de Teerão a seis anos de prisão e 223 chicotadas por causa do conteúdo dos seus filmes.

Na missiva endereçada ao chefe da autoridade judiciária iraniana, o ayatola Sadegh Larijani – e citada pela AFP –, os signatários exigem “a anulação imediata de todas as penas decididas contra Keywan Karimi, a fim de que ele possa viajar e continuar a trabalhar sem restrições”.

O texto da carta, divulgado pela Sociedade Francesa de Realizadores de Cinema (SFR), exorta o tribunal iraniano a fazer justiça a favor do cineasta. “Numa época como a nossa, tão marcada pelo ódio, pensamos que o governo e os cidadãos devem unir mais fortemente as suas forças em vez de encorajar a violência armada ou o medo, que redundam numa ameaça para toda a gente”, acrescentam os subscritores, que prometem ainda mobilizar a opinião pública para “salvar Karimi da severidade do julgamento” a que foi sujeito.

Entre os subscritores do apelo estão realizadores como o mauritano Abderrahmane Sissako  autor do celebrado Timbuktu (2014), filme distinguido com sete Césares pela académica francesa do cinema , o cambojano Rithy Panh e a belga Delphine Noels, além de franceses como Claude Lanzmann, Jean-Jacques Beineix, Nicolas Philibert ou Michel Ocelot.

Em Outubro, Keywan Karimi foi condenado na capital iraniana acusado de blasfémia e de insulto aos valores sagrados do país, devido ao conteúdo do seu documentário Escrever na Cidade (Neveshtan bar Shahr, 2012), que tem como tema os graffiti de teor político que se podem ler nas paredes de Teerão.

Já no início de Dezembro, um conjunto de 130 cineastas iranianos subscreveram também um documento de apoio a Karimi, apelando ao reexame do seu processo.

Nascido no Curdistão iraniano, e muçulmano de origem sunita, Keywan Karimi é um jovem realizador, produtor e argumentista, com uma obra ainda curta e que tem privilegiado o documentário e a curta-metragem.