Coreia do Norte é uma ditadura? Marisa responde prontamente “sim”, Edgar hesita

Sobre o Orçamento Rectificativo, a candidata do BE esclareceu que sabe “muito bem” que, se a AR se pronunciasse num determinado sentido, teria de o promulgar. Edgar Silva, afinal, também não excluía o veto nem a hipótese de o devolver à AR.

Foto
O frente-a-frente mostrou diferenças relevantes entre os entre os dois candidatos mais à esquerda Nuno Ferreira Santos

A actualidade internacional, com o anúncio de Pyongyang de que teria feito detonar a sua primeira bomba de hidrogénio, acabou por motivar a pergunta: “A Coreia do Norte é uma ditadura ou uma democracia?” A questão foi lançada pelo jornalista João Adelino Faria, no debate desta quarta-feira na RTP, aos dois candidatos de esquerda que tinha à sua frente. Marisa Matias, apoiada pelo Bloco de Esquerda, respondeu prontamente: “Considero a Coreia do Norte uma ditadura.” Já o candidato Edgar Silva, apoiado pelo PCP, repetiu a pergunta, contornou-a e só no fim acaba por concordar que a democracia não é um “privilégio” daquele país.

Embora o teor das respostas também tivesse sido diferente – Marisa Matias foi mais clara e directa ao manifestar a sua discordância relativamente ao regime oficialmente socialista, de partido único e com graves violações dos direitos humanos da Coreia do Norte -, o que saltou à vista foi a forma como o comunista tentou contornar a questão.

O ex-padre católico começou por defender que um Presidente da República deve ter com todos os países relações de cooperação, independentemente da avaliação “subjectiva” que faz desses mesmos Estados. A seguir, reconheceu que há em vários países do mundo “insuficiente respeito pelos direitos humanos”.

João Adelino Faria insistiu: “Não respondeu à minha pergunta.” É uma democracia? “Não vejo que seja um privilégio da Coreia do Norte”, respondeu Edgar Silva. De seguida, disse a Marisa Matias: “Não diga que é uma democracia avançada.” Mas a candidata tinha a resposta pronta: “Eu considero a Coreia do Norte uma ditadura que ataca o seu povo.”

Ambos concordam com políticas de desarmamento, de cooperação e de paz, mas Edgar Silva tentou atacar a eurodeputada, dizendo que o Parlamento Europeu votou favoravelmente a intervenção militar na Líbia. Marisa Matias aconselhou o adversário a consultar as actas: “Votei contra.”

Afinal, o que fariam ao Orçamento?
Com sucessivos debates televisivos, há temas que se repetem e o Orçamento Rectificativo é um deles. Num frente-a-frente com a candidata Maria Belém, Marisa Matias tinha dito que não “assinaria de cruz” um orçamento que serve para os contribuintes pagarem “desvarios financeiros” e que devolveria o debate à Assembleia da República (AR). Num outro debate, também com Maria de Belém, Edgar Silva justificou a possibilidade de viabilizar aquele orçamento com o “sentido de responsabilidade” de um Chefe de Estado.

Ora, nesta quarta-feira, Edgar Silva admitiu que não colocaria de parte a hipótese do veto político e de devolver aquele orçamento à AR. Para o comunista, em causa está a “injustiça clamorosa” de obrigar os contribuintes a “despejar mais dinheiro na falência de um banco”.

Porém, questionou: “Numa situação extrema, que poderes tinha o Presidente senão, em última instância, viabilizar este orçamento? Demitia-se ou dissolvia a Assembleia?”, questionou, invocando novamente o “sentido de responsabilidade”.

Marisa Matias manteve que devolveria o debate à AR, num “primeiro momento”. E, confrontada com os poderes do Chefe de Estado, esclareceu saber “muito bem” que, se a AR se pronunciasse num determinado sentido, teria de o promulgar. Embora em tese coloque a hipótese de a decisão da AR ser outra.

A candidata entende que é “preciso uma Presidente que se bata pelo país, que o defenda em todos os momentos, mesmo os mais difíceis” e que “a posição da maioria e do Governo” era a da integração do Banif na Caixa Geral de Depósitos, o que “seria uma mensagem forte para Bruxelas da Presidente”.