Prémio literário Correntes d’Escritas com 13 finalistas de 170 candidatos

O premiado vai ser anunciado, como habitualmente, na abertura do encontro, que decorre entre 23 e 27 de Fevereiro.

Foto

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim anunciou esta segunda-feira os 13 finalistas do prémio literário do 17.º Correntes d’Escritas, seleccionados de um total de 170 obras candidatas ao galardão no valor de 20 mil euros.

Em comunicado, a autarquia referiu que o júri do prémio literário Casino da Póvoa, constituído por Carlos Vaz Marques, Helena Vasconcelos, Isabel Pires de Lima, João Rios e José Manuel Fajardo seleccionou 13 obras de autores nacionais e internacionais em prosa.

Assim, de A casa azul, de Cláudia Clemente, a Tudo são histórias de amor, de Dulce Maria Cardoso, os finalistas de 2016 incluem Valter Hugo Mãe com A desumanização, Mário de Carvalho com A liberdade de pátio, José Eduardo Agualusa por A rainha ginga e o espanhol Javier Cercas por As leis da fronteira.

Adicionalmente, o júri escolheu também Barba ensopada de sangue, do brasileiro Daniel Galera, Cláudio e Constantino, de Luísa Costa Gomes, Da família, de Valério Romão, Gente melancolicamente louca, de Teresa Veiga, Hereges, do cubano Leonardo Padura (recentemente galardoado com o prémio Princesa de Astúrias), O sonho português, de Paulo Castilho e Os memoráveis, de Lídia Jorge.

O premiado vai ser anunciado, como habitualmente, na abertura do encontro, que decorre entre 23 e 27 de Fevereiro.

O comunicado da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim recorda que, até dia 5 do próximo mês, “professores e alunos do 4.º ano de escolaridade do Ensino Básico ainda poderão concorrer ao prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes d’ Escritas Porto Editora”, este ano também apoiado pelo Diário de Notícias.

O Correntes d’Escritas vai também atribuir o prémio apoiado pela Papelaria Locus ao melhor conto escrito por jovens e o prémio Fundação Dr. Luís Rainha ao melhor trabalho sobre a Póvoa de Varzim.

Sugerir correcção