Morreu a inesquecível Natalie Cole

Filha e herdeira musical de Nat King Cole, a cantora morreu na véspera de Ano Novo em Los Angeles. Tinha 65 anos.

Foto
Natalie Cole e o prémio Grammy que recebeu por Still Unforgettable em 2009 AFP PHOTO / VALERIE MACON

A cantora Natalie Cole, filha de Nat King Cole e intérprete de sucessos como This Will Be (An Everlasting Love) I’ve Got Love on My MindMiss You Like Crazy ou Unforgettable, o dueto virtual que gravou com o pai, morreu nesta quinta-feira aos 65 anos no hospital Cedar Sinai, em Los Angeles, nos Estados Unidos. 

Natalie Cole lutava há anos com graves problemas de saúde, que ela própria atribuía a um passado de consumo de heroína, cocaína e outras drogas, dependência que ultrapassara em 1984, após ter passado meio ano numa clínica de reabilitação.

Em 2008 foi-lhe diagnosticada hepatite C, provavelmente contraída décadas antes através de uma agulha infectada. Alguns meses após ter começado a fazer quimioterapia, Cole teve uma falência renal e assumiu na televisão, no programa de Larry King, que teria de fazer hemodiálise até ao fim da vida caso não encontrasse um dador com um rim compatível, o que veio a acontecer em 2009.

Vencedora de nove Grammy, Natalie Cole criticou a academia responsável pelos prémios por ter dado cinco Grammy, em 2007, a uma toxicodependente assumida, a cantora Amy Winehouse, que viria a morrer em 2011. “Sou ex-viciada em drogas e não encaro estas coisas de ânimo leve”, disse Cole em 2009, acrescentando: “a hepatite C permaneceu no meu corpo durante 25 anos e o mesmo pode acontecer a esta jovem mulher ou a outros viciados que andam a brincar com drogas, especialmente [se usam] agulhas”.

Filha de dois cantores, o lendário Nat King Cole e Maria Hawkins Ellington, que não era parente de Duke Ellington mas foi vocalista na sua banda, Natalie Cole nasceu em Los Angeles em 1950 e começou a cantar muito cedo, inspirada pelo exemplo do pai, que era já uma estrela da música popular nos anos 50, primeiro como pianista de jazz e depois como cantor. Natalie tinha apenas 11 anos quando cantou em público pela primeira vez.

Nat King Cole morreria de cancro do pulmão em 1965, quando a filha tinha apenas 15 anos, mas um quarto de século mais tarde, as novas tecnologias permitiram a Natalie Cole cumprir o sonho de cantar com o pai. Em 1991, no álbum Unforgettable… With Love, a cantora interpreta versões de vários dos principais sucessos de Nat King Cole, incluindo a canção Unforgettable, na qual as vozes de pai e filha foram virtualmente reunidas num dueto. O álbum vendeu 14 milhões de exemplares e ganhou os Grammy de álbum do ano, disco do ano e melhor interpretação vocal de pop tradicional.

Com estudos universitários de Psicologia e Alemão, a cantora estreou-se em 1975 com Inseparable, que conseguiu gravar na Capital Records após recusas de várias editoras que torciam o nariz à sacrílega preferência da filha de Nat King Cole pelo rhythm & blues e pelo rock. Mas o álbum foi um sucesso e um dos temas, This Will Be (An Everlasting Love) valeu-lhe o primeiro Grammy da sua carreira.

Ainda nos anos 70, editou vários outros álbuns maioritariamente compostos por temas de rhythm & blues, como Natalie (1976), com a canção Sophisticated Lady, que lhe trouxe mais um Grammy, ou Unpredictable (1977), que inclui um dos seus temas mais célebres, I've Got Love on My Mind.

Em 1979, a cantora já tinha uma estrela no Passeio da Fama de Hollywood, mas a sua promissora carreira vai depois começar a decair na primeira metade dos anos 80, o período em que se agudizam os seus problemas com o álcool e as drogas.

Mas Natalie Cole ressurge em grande forma em 1987 com Everlasting, o álbum em que canta a sua célebre versão de Pink Cadillac de Bruce Springsteen.

E em 1991 sai Unforgettable, o seu primeiro disco na Elektra Records, que reúne 22 canções do reportório de Nat King Cole e que se tornará o maior sucesso de vendas de toda a sua carreira. A cantora de rhythm & blues rendia-se finalmente aos clássicos da música popular americana que o seu pai ajudara a imortalizar, como Too YoungMona LisaNatural Boy ou Unforgettable.

Quando estava a gravar o disco, Natalie Cole disse à Associated Press que tinha tido de deitar fora todos os truques que aprendera enquanto cantora de rhythm & blues e de pop contemporânea, porque com o seu pai “a música servia de pano de fundo e era a voz que ocupava o primeiro plano”.

Ao êxito de Unforgettable segue-se mais um álbum de standards de jazz, Take a Look (1993), com a canção que dá título ao disco interpretada num registo de assumida homenagem a um dos grandes ídolos de Natalie Cole, Aretha Franklin, que a gravara em 1967. Este álbum e o seguinte, Holly & Ivy (1994), foram ambos discos de ouro, e Stardust (1996) chegou a disco de platina.

Natalie Cole continuou a gravar regularmente, e em Março de 2015, por exemplo, cantou num espectáculo de homenagem a Paul Newman, em Nova Iorque. Tinha já cancelado os concertos que programara para este final de ano. Em 2010, Natalie Cole deu um concerto em Olhão, no Algarve, no âmbito da programação da iniciativa Allgarve, de promoção da região.