Imagens choque nos maços de tabaco não devem surgir antes de Maio

Na nova lei do tabaco há normas que só serão aplicadas em 2020.

Foto
Em Espanha os maços de tabaco já têm imagens chocantes desde 2010 REUTERS/Susana Vera

Nesta sexta-feira, o primeiro dia do ano, entra em vigor a nova lei anti-tabágica, mas poderão passar vários meses antes de os consumidores porem os olhos em imagens de pessoas mortas, amputadas, a cuspir sangue ou com lesões cancerígenas quando comprarem cigarros. Só a partir de 20 de Maio de 2016 é que a indústria do tabaco é obrigada a exibir em 65% das duas faces dos maços fotografias de choque, acompanhadas de  informação sobre onde procurar apoio para deixar de fumar. E o mais provável é que nessa data ainda existam no mercado embalagens antigas, que poderão ser escoadas ao longo de todo o ano seguinte, ou seja, até 20 de Maio de 2017.<_o3a_p>

O adiamento da obrigatoriedade de publicação das imagens (já divulgadas no Diário da República) resulta de uma norma transitória, que visa garantir uma fase de adaptação às novas regras. E é provável que esse período seja aproveitado, adiantou fonte da indústria tabaqueira, na medida em que só em Novembro foi publicada a portaria com especificações necessárias às alterações.

Além dos alertas para os riscos e consequências de fumar, os maços passam a ter também informação sobre onde procurar apoio para deixar este hábito (ver caixa). O número de telefone da Linha Saúde 24 (808 24 24 24) e o site da Direcção-Geral da Saúde são duas das exigências do Ministério da Saúde, segundo a portaria publicada em Novembro.

As imagens nos maços de tabaco são já usadas há alguns anos em vários países da Europa. Em Espanha, por exemplo, a legislação entrou em vigor em 2010 numa altura em que a Bélgica, Reino Unido e Roménia já o faziam. Desde essa altura atá agora, muitos outros países adoptaram esta medida que pretende dissuadir os fumadores com imagens de choque.

Depois de Maio, aos poucos, as imagens começarão a surgir nos maços de tabaco em Portugal, acompanhadas das advertências em texto (como “Fumar pode matar o seu filho antes de ele nascer” , “Fumar reduz a fertilidade” ou “Fumar provoca 9 em cada 10 cancros de pulmão”) e as menções obrigatórias  “Fumar mata - deixe já” e “O fumo do tabaco contém mais de 70 substâncias causadoras de cancro”.

Transpondo duas directivas da União Europeia, a nova legislação determina que os cigarros electrónicos que possuem nicotina vão passar a ter que exibir a advertência de que contêm esta substância e ficam sujeitos às mesmas restrições que os outros cigarros. A legislação vem ainda alargar a proibição de fumar a quase todos os locais públicos fechados. Passa ser expressamente proibido fumar nas áreas com serviço em todos os estabelecimentos de restauração e bebidas, incluindo os recintos de diversão, os casinos, os bingos, as salas de jogo, entre outras. Mas também neste caso há prazos alargados para entrada em vigor de algumas das normas e excepções.

Por exemplo, as novas regras só entram em vigor a partir de 2021 nos estabelecimentos com áreas para fumadores, nomeadamente restaurantes que investiram em sistemas de extracção de ar e ventilação para terem espaços para este fim ou até para poderem ser destinados exclusivamente a fumadores, dado que é definida uma moratória para adaptação, até 31 de Dezembro de 2020. A proibição da utilização de qualquer técnica que altere o odor ou o sabor do tabaco, também tem um período transitório (até 20 de Maio de 2020) para produtos cujo volume de vendas da União Europeia seja superior a 3% ou mais de uma determinada categoria de produto, caso, por exemplo, do mentol, refere a lei.

Pelas excepções previstas, a nova lei foi criticada por organizações antitabagistas que a consideram pouco restritiva. O director-geral da Saúde, Francisco George também chegou a admitir ao PÚBLICO que esperava “uma lei mais restritiva no que respeita à eliminação do chamado fumo em segunda mão [passivo]”.

Em Portugal são diagnosticados, por ano, cerca de 4000 novos casos de cancro do pulmão e registadas cerca de 3500 mortes. O tabaco está implicado em 85% dos casos desta doença, mas também noutras patologias como a doença pulmonar obstrutiva crónica, enfisema pulmonar e infecções respiratórias baixas, tuberculose pulmonar, doença cardíaca isquémica e doença cerebrovascular.     

 

<_o3a_p>

Sugerir correcção