Bill Cosby formalmente acusado de abusos sexuais

Desde finais de 2014 as alegações de 15 mulheres, que dizem ter sido drogadas e vítimas de abuso pelo entertainer, estão sob investigação.

Foto
Bill Cosby tem 78 anos e está sob investigação desde 2014 Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Bill Cosby, um dos grandes ícones televisivos da década de 1980 e uma das figuras mais populares da América negra contemporânea, vai ser formalmente acusado de abusos sexuais. A acusação, já entregue pelo estado da Pensilvânia, diz respeito a um caso datado de 2004, mas poderá ser apenas a primeira de uma série de acusações: 15 mulheres alegam ter sido drogadas e violadas pelo actor em casos datados das décadas de 1970 em diante e que estão a ser investigados desde o ano passado.

Em 2005, Andrea Constand, funcionária da Temple University, já tinha processado o entertainer por violação, mas acabou por chegar a acordo extrajudicial por uma soma nunca revelada. Esse processo esteve fechado até ao Verão de 2014. Foi reaberto quando uma série de outras mulheres começaram a denunciar os seus próprios casos na comunicação social norte-americana. 

Vários desses outros casos não chegarão nunca a julgamento: tendo em conta as datas apontadas pelas alegadas vítimas, terão já prescrito. Não é assim com o caso de Andrea Constand, que prescreveria dentro de dias, em Janeiro.

“Hoje, depois de examinar todas as provas, estamos em condições de procurar justiça em nome da vítima”, disse esta quarta-feira Kevin R. Steele, Primeiro Assistente do Procurador-Geral da Pensilvânia, citado pela Reuters. Em conferência de imprensa, Steele explicou que a acusação é de “abuso sexual agravado”, uma figura que na lei norte-americana configura crime.

Steele explicou também que novas informações sobre este caso vieram à luz este ano e que Constand está disposta a colaborar com as autoridades.

Quando foi inicialmente interrogado sobre o caso, há 11 anos, Cosby reconheceu ter tido um encontro sexual com a ex-basquetebolista, que na altura tinha 30 anos, mas declarou ter sido consensual. A acusação alega, no entanto, que esta foi sedada na mansão do entertainer, ficando incapaz de consentir os avanços sexuais do homem de 66 anos que via “como um mentor”.

O caso de Constand, uma das responsáveis pela equipa de basquetebol feminino da Universidade de Templ, voltou quando em 2014 o New York Times revelou os conteúdos dos quatro dias do interrogatório de 2004 em que o entertainer admitiu ter usado a sua influência profissional para tentar ter sexo com algumas mulheres e ter pago para manter casos extraconjugais em segredo. Casado desde 1964, Cosby admitiu também ter dado um sedativo a uma jovem e quando lhe perguntaram se ela tinha, depois disso, capacidade para consentir a relação sexual respondeu “não sei”.

Do interrogatório resultou um “dossier” de mil páginas em que Cosby descreve detalhadamente encontros sexuais com jovens – recordando o prazer que lhe foi dado por uma modelo de 19 anos no seu sofá, confirmando o uso que fazia de comprimidos sedativos “da mesma forma que alguém podia dizer ‘bebe um copo’” e negando ter dado algo mais forte do que três anti-histamínicos a Constand num jantar em que partilharam “um momento sexual”.

Os abusos a Constand terão acontecido nesse jantar, mas Cosby diz que estavam apenas a “brincar ao sexo".

A jovem, que discutia a sua carreira desportiva com o entertainer, relata uma realidade distinta: uma em que lhe foram dados comprimidos que ele descreveu como “naturais”, para relaxar. Sentiu-se mal e semiconsciente, enquanto ele a tocava e a obrigava a tocá-lo nos genitais. Reforçando que se tratou de um acto consentido, Cosby pediu a Constand ao telefone, meses depois e já com a jovem a viver no Canadá: “Fala à tua mãe do orgasmo" – isto depois de ter sido confrontado pela mãe da alegada vítima. Mais tarde, perante as lágrimas de Constand durante o depoimento, Cosby repetiu que ela era “uma mentirosa”.

Constand foi a primeira a acusar Cosby num tribunal cível, depois de ter tentado uma acusação criminal sem sucesso. Treze outras queixosas testemunharam no processo de Constand, relatando outros alegados abusos.