Portas: “É tempo de passar o testemunho e eu faço-o com toda a naturalidade”

O líder do CDS diz que o centro-direita só voltará a governar com maioria absoluta.

Foto
Portas na reunião do CDS desta segunda-feira Miguel Manso

Paulo Portas justificou a decisão de não se recandidatar à liderança do partido com o tempo que ocupa o cargo – 16 anos – e com o novo ciclo em que o centro-direita só voltará a governar com maioria absoluta. O presidente do CDS-PP falou aos jornalistas após quatro horas de reunião da comissão política nacional em que anunciou a sua decisão.

Emocionado, Portas garantiu que será imparcial na escolha que o CDS fará para o próximo presidente a ser eleito no congresso que será marcado a 8 de Janeiro para Março ou Abril de 2016. “O partido fará com total isenção da minha parte uma escolha de futuro”, disse. Apesar de reconhecer que a sua sucessão gera preocupação no partido, Portas tentou desdramatizar: “É tempo de passar o testemunho e eu faço-o com toda a naturalidade.”

Entre as razões que enunciou para não se recandidatar a mais um mandato, Paulo Portas começou pelo tempo. Não só pelos anos que esteve à frente do partido (desde 1998 até 2016, com dois anos de intervalo), mas também por aqueles que se  avizinham. “É honesto estar consciente de que se me candidatasse teria de estar disponível não para um mandato de dois anos mas para vários”, disse, contando com “o regresso do centro-direita ao poder”. “Isso levaria a minha presença do CDS para lá de 20 anos, o que com toda a franqueza não é desejável”, afirmou. O ainda líder do CDS revelou que pretendia “abrir a sucessão” no partido, mesmo se as eleições legislativas tivessem “resultado num novo mandato”.

A forma como o PS formou governo, mesmo sem ter a maior votação nas urnas, foi apontada como uma das razões que estão na base da decisão de Portas. “Para o CDS, o centro-direita só voltará a ser governo com maioria absoluta; qualquer outro cenário será fatal. PSD e CDS vão ter de pedalar e crescer muito”, afirmou.

Falando em renovação, Portas disse ser “este o momento de abrir um novo tempo à nova geração do partido” e sublinhou a intenção de lhes dar responsabilidades.

Deixando agradecimentos aos centristas e fazendo uma referência ao líder do PSD, Portas garantiu que o CDS “será sempre” o partido em que estará filiado e em que vota. A mensagem termina com o reconhecimento de que a sucessão não será um “momento fácil”, mas que “o CDS vai saber superar”.