Pixabay
Foto
Pixabay

Megafone

Qual será o próximo jogo português na PlayStation 4?

Quem conquistar o primeiro lugar, terá direito a um SDK da PS4, 50,000€ para uma campanha de marketing e 10,000€ para investirem no desenvolvimento do jogo durante 10 meses num espaço cedido pela Sony

Há relativamente pouco tempo, a Sony apresentou um programa (ou antes, um concurso) para apoiar os produtores portugueses de videojogos. Anunciado durante a última edição do Lisboa Games Week, o "Playstation Prémios", deu aos participantes pouco menos de um mês para avançarem com propostas. Mesmo assim, segundo a organização, durante aquele (curto) período de tempo, foram recebidas cerca de meia-centena de participações, tendo sido escolhidas para a final cerca de duas dezenas de projectos.

Finalmente, no passado dia 17 de Dezembro, os jogos finalistas foram apresentados à comunicação social e ao júri, composto por elementos da Sony Iberia. Com pouco menos de um mês de desenvolvimento, não se pode dizer que houvesse grande expectativa para ver os trabalhos apresentados. Como seria de esperar, existiu realmente uma grande discrepância na qualidade nos trabalhos apresentados. Entre os 20 participantes, 12 eram somente conceitos, seis provinham de estúdios profissionais com títulos já quase na recta final de desenvolvimento, e dois eram essencialmente projectos que já tinham passado a fase de conceito, mas que ainda estavam longe, muito longe, de uma fase "Alpha". Curiosamente, das 20 participações nove eram dedicadas ao tema do horror e terror. Será esta uma nova tendência? Veremos.

De qualquer forma, este evento, deixa uma grande questão. Havia uma clara necessidade de separar os participantes, mas, invés disso, foram todos para o mesmo saco. De repente, temos uma equipa de estudantes que ainda tem os projectos na fase do conceito (com algumas boas ideias, mas quase nenhuma implementação) a concorrer directamente com um estúdio profissional, cujo título já está praticamente na recta final de desenvolvimento. A discrepância é enorme, um verdadeiro fosso, que não é justo para nenhum dos lados. Parecia um torneio de futebol para solteiros e casados, que por acaso, convidaram o Sporting, o Benfica e o FC Porto para participar.

No meio disto tudo, estavam velhos conhecidos como o "survival-horror", "Cosmonaut", da GCS, o sádico, "Lots of Guts", da RTW, o frenético "Strikers Edge", da Fun Punch, o confronto entre homens e dinossauros, "Nomad Rocks", o hilariante "Roadsheep", da Dobsware, e o "super-pacifico", "Tanks Against Violence", da Titan Forged Studios. Tudo títulos que já tinham sido anunciados em eventos anteriores e, claro, com vários meses (nalguns casos, anos) de desenvolvimento.

Obviamente, que os títulos acima mencionados estavam num campeonato à parte, sendo que a apresentação mais empolgante tenha sido a do "Tanks Against Violence", que arrecadou muitas palmas e risos da plateia. Por outro lado, "Strikers Edge", apresentou um plano mais conciso para o universo PlayStation, incluindo a sua possível inclusão na "Liga Playstation", a prometer muitas lutas em rankings e um bom plano para a expansão do jogo.

Uma última palavra para dois conceitos apresentados, por estúdios que tem equipas experientes. O primeiro é "Enter Kowloon", da GS78, um "side-scroller beat'up", ou como alguns diziam nos anos 90 em bom português, um "porrada 'neles", a lembrar clássicos como "Streets of Rage," ou "Final Fight". O segundo é "Warbound", um produto da recém criada Ankylosaur, uma equipa formada por ex-membros da Biodroid, que vai tentar trazer algumas mecânicas de jogos de tabuleiro, como "Warhammer" para uma espécie de "Heartstone". Dois títulos a manter debaixo de olho nos próximos meses.

Por agora, o júri vai escolher 10 finalistas para encontrar um vencedor para a categoria principal e cinco outros em secundárias. Quem conquistar o primeiro lugar, terá direito a um SDK da PS4, 50,000€ para uma campanha de marketing e 10,000€ para investirem no desenvolvimento do jogo durante 10 meses num espaço cedido pela Sony. O nome deste vencedor será relevado numa gala em Janeiro de 2016.