Exportações de turismo perto dos 10.000 milhões em dez meses

Serviços evitam défice da balança comercial, impulsionando excedente externo de 1817 milhões até Outubro. Turismo vale 48% das exportações de serviços.

Foto
O turismo representa 48% de todas as exportações de serviços Daniel Rocha

O crescimento das exportações de serviços ligados às viagens e turismo, na casa dos dois dígitos, colocou o valor exportado neste sector de actividade a tocar no patamar dos 10.000 milhões de euros ao fim dos dez primeiros meses do ano. Até Outubro, as vendas de viagens e turismo cresceram 10,2%, atingindo 9915 mil milhões de euros. São mais 921 milhões de euros do que o montante acumulado no ano passado no mesmo período de 2014, que estava próximo da barreira dos 9000 milhões nessa altura do ano.

Os números do comércio internacional publicados nesta terça-feira no Boletim Estatístico do Banco de Portugal mostram como só as exportações de serviços, sobretudo impulsionadas pelo turismo, estão a garantir o equilíbrio da balança comercial, mesmo que o ritmo de crescimento esteja a ser inferior à venda de bens ao mercado externo. O excedente que resulta da diferença entre as exportações e as importações é, até Outubro, de 1817 milhões de euros.

As exportações de serviços cresceram 3,6% nos dez primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano anterior, totalizando um volume de 20.784 milhões de euros. Já as importações somam um valor de 10.526 milhões de euros, o que perfaz um saldo superior a 10.258 milhões de euros.

Este excedente supera o saldo negativo que se regista na balança comercial dos bens – as compras ao exterior são de 50.349 milhões de euros, contra os 41908 milhões de exportações, o que representa um défice comercial nos bens de 8441 milhões.

As exportações de turismo, cujo papel na economia nacional e nas contas com o exterior foi sublinhada ao longo dos últimos anos pelo anterior Governo, representam 48% de todas as exportações de serviços.

Os serviços evitam que a balança comercial seja deficitária não apenas por causa do turismo, mas também dos transportes, que apesar de estarem praticamente estagnados atingiram um valor de 4888 milhões de euros, quando as importações neste sector de actividade se ficam pelos 2708 milhões até Outubro.

As exportações de serviços pessoais, culturais e recreativos, os serviços de transformação de recursos naturais, com um peso menor, estão em queda.