Opinião

Cartas à Directora

A arte do vento

O vento levou os formulários em que Graça Castanho se apoiava para apresentar a sua candidatura à presidência da República. As necessárias assinaturas voaram com o temporal que se abateu sobre a ilha de São Miguel. Graça Castanho ficou azul! Espero que o vento que sopra na capital do sonhado V Império não leve os documentos dos processos Marquês e do caso BES! Não é por acaso que o vento dá um ar surrealista nos encontros de apaixonados! O vento foi um aliado de Horatio Nelson, ao derrotar a poderosa força naval franco-espanhola comandada por Pierre de Villeneuve, na célebre batalha de Trafalgar (1805). Poetas cantam as sombras do vento! O IMI e a sobretaxa de IRS podiam desaparecer com uma boa ventania! Como sopra a velha máxima:” a ignorância e o vento são do maior atrevimento”

Ademar Costa, Póvoa de Varzim

Vamos ao psiquiatra

A saúde mental em Portugal, já sabemos, é um problema muito sério. Assim, também nas nossas escolas este problema é facilmente evidenciado pela sua população. Quantas vezes procedimentos conotados, à partida, com comportamentos inadequados, vulgarmente apelidados por  indisciplina, são situações provocadas devido a distúrbios mentais. Por isso teriam uma intervenção específica. Mas não têm. Apesar da presença, muitas vezes apenas por obrigação, psicóloga nas escolas, a resolução da sua saúde mental não passa de uma questão de somenos. "É um grande malcriado". "O que não quer é trabalhar". Expressões comuns no dia-a-dia das nossas escolas. É indiferente frequentar e trabalhar, na escola do bairro ou do centro, na privada ou pública, do interior ou litoral. O que importa, sim, é que uma está no princípio do ranking e a outra no fim.

Gens Ramos, Porto

Apenas um parafuso

Na página 20 do Jornal PÚBLICO de domingo [13 de Dezembro] há uma lufada de esperança que o mundo não está perdido. Às vezes apenas um parafuso bem colocado fará toda a diferença para o descanso de quem vive isolado neste nosso País.

Há idosos, mas também gente isolada que sem uma mão invisível fora das estruturas propagandeadas na Comunicação Social teriam apenas por companhia o nada. Felizmente ainda há municípios que criam e apadrinham pequenos detalhes que fazem toda a diferença. O exemplo referenciado é na Guarda mas estão prometidos relatos de mais outros casos.

Parabéns ao Público e por favor não parem de nos dar este pequenos raios de Sol tantas vezes de propósito calados.

Maria Clotilde Moreira, Algés

O PÚBLICO ERROU

Os elementos biográficos sobre Cândida Ventura, inseridos no obituário da antiga dirigente do PCP, recolhem elementos publicados em várias fontes. Com destaque para o blogue “Silêncios e Memórias”, de João Esteves, que por lapso não apareceu citado na nossa edição de quinta-feira.