Ministro da Educação insiste que vai ouvir "parceiros" sobre exames

Os dirigentes das duas maiores federações sindicais de professores saíram satisfeitos da primeira reunião com o ministro da Educação e salientaram a aparente abertura ao diálogo. Um dos temas cuja discussão ficou agendada foi a do modelo de avaliação de alunos e do sistema educativo.

Exames do 4.º ano vão deixar sem aulas muitos alunos do ensino básico
Foto
Actualmente, o número máximo de alunos por turma varia entre 26 e 30 Nelson Garrido

João Dias da Silva, dirigente da Federação Nacional de Professores (FNE), afirmou nesta quarta-feira que o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, deu o exemplo do modelo de avaliação no ensino básico e secundário para afirmar que não tomará decisões isoladas, pontuais e à margem dos parceiros educativos. “Esta foi apenas uma primeira reunião, mas esta postura é muito positiva”, comentou o sindicalista.

Nesta terça-feira, na sequência da notícia do regresso das provas de aferição ao 4.º ano de escolaridade, em substituição dos exames, o Ministério da Educação (ME) divulgou um comunicado em que informou que o novo modelo será construído com a comunidade educativa. Nesta quarta, segundo Dias da Silva, o ministro não adiantou qual a proposta do ME, mas colocou o tema na agenda de futuras reuniões, reiterando que tenciona ouvir os parceiros educativos. Compromete-se nesta questão num momento em que o debate sobre as consequências da eliminação dos exames do 4.º ano pelo Parlamento continua em cima da mesa e na véspera de o assunto ser falado na Assembleia da República, por iniciativa do CDS/PP.

João Dias da Silva (que defende que o modelo de avaliação deve ser definido depois de analisada a possível reestruturação dos ciclos de ensino, passando o primeiro a ser de seis anos) disse que outra das preocupações manifestadas pelo ministro foi a transferência de competência para os municípios. No entanto, frisou, este primeiro encontro com as federações sindicais (antes o ministro recebera a Fenprof) não foi conclusivo. A FNE enumerou preocupações concretas (como a urgência de alterar a forma de recrutamento dos professores sem vínculo) e relacionadas com a carreira dos docentes, disse.

“Saímos com boas expectativas em relação ao futuro e totalmente disponíveis para colaborar num trabalho do qual resulte a valorização do sistema educativo por parte da sociedade em geral. Esse é um passo importante recuperar e reforçar o respeito pelos professores", disse João Dias da Silva, em declarações ao PÚBLICO.

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, também se mostrou satisfeito com a primeira reunião com o ministro do Governo socialista. "Saímos com expectativas não frustradas e até reforçadas", disse o dirigente sindical, que acrescentou ter ficado com a convicção de que com a nova maioria e, em concreto, na Educação, há "abertura ao diálogo e à negociação" e "a intenção de resolver problemas sem queimar etapas, mas também sem os deixar arrastar".

Sobre o ensino artístico e os professores que se encontram com salários em atraso, a Fenprof recebeu a garantia de que as equipas do ME estão a trabalhar na resolução do problema para que possam ser regularizadas todas as situações o mais rápido possível, a nível administrativo. Nogueira disse que manteria, ainda assim, o pré-aviso de greve para 4 de Janeiro. Segundo disse, já há professores que já não têm dinheiro para se deslocar para o trabalho.