Empresas portuguesas vão ajudar a construir o maior telescópio óptico do mundo

A ISQ e a Critical Software ganharam concursos de 1,5 milhões de euros para integrar a construção do European Extremely Large Telescope.

Visão artística do futuro telescópio E-ELT no cimo do monte Armazones, no deserto de Atacama
Foto
Visão artística do fututo telescópio E-ELT no deserto do Atacama Observatório Europeu do sul/L. Calçada

As empresas portuguesas ISQ e Critical Software vão participar na construção do European Extremely Large Telescope (E-ELT), o maior telescópio óptico do mundo, do Observatório Europeu do Sul (ESO), no deserto do Atacama, no Chile, anunciou nesta quarta-feira a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). As duas empresas vão ganhar ao todo “perto de 1,5 milhões de euros”, de acordo com o comunicado da FCT, para “análise de requisitos de software”, no caso da Critical Software, e a “verificação de materiais”, no caso da ISQ.

O Telescópio Europeu Extremamente Grande (a tradução do nome inglês) é uma das grandes apostas do ESO – a organização intergovernamental europeia com 15 países-membros, incluindo Portugal, e que tem sede na Alemanha. A construção vai iniciar-se em 2016 e quando terminar, em 2024, o E-ELT terá um espelho de 40 metros de diâmetro, composto por 798 espelhos hexagonais com 1,4 metros de diâmetro e cinco centímetros de espessura.

O telescópio irá ser erigido a 3060 metros de altitude no Monte Armazones, no Norte do Chile, e custará 1083 milhões de euros (a preços de 2012). A construção destes grandes instrumentos é feita por concursos em que instituições ou empresas dos países-membros que integram o projecto se candidatam para produzir peças ou para assegurar outros aspectos importantes do processo, como a verificação de software ou de materiais.

A Critical Sotware, que trabalha na área do software, foi uma das 13 empresas de seis países que se candidataram para “a análise de requisitos de software dos sistemas de controlo do telescópio e a preparação e execução de testes manuais e automáticos”, ganhando o concurso.

Já a ISQ, que fornece serviços de inspecção e ensaio na área da engenharia, irá “assegurar tarefas como a verificação de materiais, peças e produtos finais”. No fundo, irá ajudar a fazer o controlo de qualidade de algumas das estruturas que vão integrar o telescópio.

O trabalho das duas empresas será importante durante a montagem, a integração e a verificação do telescópio.

O E-ELT terá capacidade de obter 13 vezes mais luz do que os maiores telescópios ópticos existentes e produzirá imagens 16 vezes mais nítidas do que o telescópio espacial Hubble, explica o comunicado da FCT. Esta capacidade, irá permitir “estudar detalhadamente objectos como planetas que giram à volta de outras estrelas, os primeiros objectos do Universo, buracos negros supermassiços, e a natureza e distribuição da matéria escura e da energia escura que domina o Universo”, explica o site do ESO.