Eventual saída da Maersk do Porto de Lisboa "não é positiva"

O ministro do Planeamento e Infra-estruturas admitiu esta terça-feira que, a confirmar-se, a saída do grupo dinamarquês Maersk do Porto de Lisboa não é uma boa notícia e garantiu ainda que o Governo vai acompanhar a situação.

Estivadores garantem que intenção do operador não está relacionada com a greve
Foto
Estivadores garantem que intenção do operador não está relacionada com a greve Manuel Roberto

"A confirmar-se, a saída de uma empresa dessa dimensão evidentemente não é positivo para a economia portuguesa. Teremos de tentar conhecer melhor os contornos da situação. Não é bom para a economia portuguesa perder um investimento dessa natureza", disse Pedro Marques.

O Diário Económico adiantou na sua edição de hoje que o grupo Maersk, o maior armador mundial, comunicou aos clientes e parceiros que vai abandonar as operações no Porto de Lisboa devido à greve dos estivadores.

Já em comunicado, o Sindicato dos Estivadores salientou que "esta realidade é provocada pela situação operacional deficiente que tem vindo a ser oferecida pelos operadores/empresas de estiva que detêm as concessões dos terminais portuários de Lisboa e não está relacionada, pelo menos até ao momento, com a greve em curso".

Questionado sobre a eventual saída da Maersk do Porto de Lisboa, o ministro do Planeamento e Infra-estruturas disse, à margem de uma conferência promovida para assinar o 15.º aniversário da SIC Notícias, no Porto, que "seria especulativo" falar do tema neste momento, pois o Governo tem de "conhecer melhor os contornos do processo".

O ministro avançou, no entanto, que "em qualquer caso a economia do mar [portuguesa] é competitiva e tem de ser mais competitiva" e que "é aposta deste Governo reforçar a economia do mar".