Sócrates responsabiliza procuradora-geral por erros no seu processo

Ex-primeiro-ministro voltou a criticar os responsáveis pela investigação numa entrevista de mais de uma hora à TVI.

Foto
José Sócrates falou durante mais de uma hora na TVI Fernando Veludo/NFactos (arquivo)

O ex-primeiro-ministro, José Sócrates, responsabilizou directamente a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, pela actuação do Ministério Público no processo conhecido como Operação Marquês, esta segunda-feira, na primeira entrevista após a sua libertação, a 16 de Outubro passado, dada à TVI. O antigo governante voltou a criticar violentamente os responsáveis pela investigação, defendendo que a sua motivação só pode ser “o ódio pessoal” contra si.

“A procuradora-geral da República é a principal responsável por este processo, tem de dar uma explicação pública pelo comportamento do Ministério Público e pelo facto de todos os prazos estarem esgotados", afirmou. Sócrates acusou ainda os responsáveis pela investigação de não terem “o mínimo de respeito pelos direitos das pessoas” e de serem responsáveis "por uma campanha de difamação contra si".

Numa entrevista de mais de uma hora, o ex-primeiro-ministro lamentou que o processo onde é suspeito de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal não decorra de uma forma “exemplar”, já que tem “claras repercussões sociais e políticas”, tendo prejudicado os socialistas nas últimas eleições legislativas.

Após ser questionado sobre a posição oficial do PS, liderado por António Costa, que recusou comentar o caso insistindo em separar justiça e política, Sócrates fez uma alusão crítica à direcção do seu partido. "Ao fim de seis meses, eu realmente o que contava não é que o PS interviesse no processo, mas que o PS dissesse: desculpem, mas não será o momento de apresentarem as provas? Acham que isto não passou já a mais? Não acham que o PS está a ser prejudicado por isto?", declarou.

Sócrates admitiu que o filho lhe transmitiu no dia anterior à sua detenção que estavam a ser realizadas várias buscas em casas de familiares e amigos, alguns dos quais tinham sido detidos. O ex-primeiro-ministro não explicou porque alterou a sua viagem de regresso pelo menos duas vezes e assegurou que não pediu ao seu advogado que fosse ao seu encontro, em Paris. “No dia seguinte, sem eu lhe pedir nada, o Dr. João Araújo viajou para Paris. Cerca das 10h apareceu-me no hotel onde eu estava instalado”, contou Sócrates.

O ex-primeiro-ministro voltou a falar no e-mail que o seu advogado enviou de Paris para o Departamento Central de Investigação e Acção Penal, mostrando a disponibilidade do seu cliente para ser ouvido no âmbito daquela investigação, e do facto de a mensagem electrónica ter demorado quatro dias a entrar nos servidores do Ministério Público. “Suspeito que esconderam o e-mail para me poderem prender”, lançou Sócrates, lamentando que ainda não haja uma acusação apesar de já ter passado mais de um ano sobre a sua detenção.

O antigo governante apelidou de “operação de terror” as buscas a familiares e amigos que antecederam a sua detenção, e insistiu que tinham o objectivo de intimidar as pessoas que lhe eram próximas. “Atemorizaram toda a gente na esperança que alguém me incriminasse”, afirmou. “Infelizmente, as pessoas só tinham uma coisa para dizer: a verdade”, acrescentou.

Quanto à recusa de autorizar o uso da pulseira electrónica, Sócrates revelou que um dos seus advogados o aconselhou a aceitá-la, já que era uma oportunidade de sair da cadeia. “Fiz bem em não aceitar. Agi de acordo com a minha consciência”, disse, sublinhando que assim não há nenhum papel no processo a dizer que concordou com uma decisão do tribunal neste caso.

O Jornal das Oito, da TVI, terminou sem que a entrevista tenha chegado ao fim, tendo o jornalista José Alberto Carvalho informado que iria prosseguir a gravação do questionário, a última parte do qual será exibido no telejornal desta terça-feira.