No Coliseu do Porto há um circo a tentar “mudar mentalidades”

Fotogaleria

Rosa Sáez faz uma caminhada compassada nos bastidores do Coliseu do Porto enquanto empurra o carrinho de bebé onde o filho de um ano teima em manter os olhos abertos. Dali a menos de uma hora pisará o palco do Coliseu do Porto, onde, pela primeira vez, o circo de Natal não terá animais em palco. A decisão da direcção do Coliseu fez-se no binómio certo-errado, sem preocupações de perdas de bilheteira ou lamentos. Até porque, para o presidente da icónica sala de espectáculos, Eduardo Paz Barroso, "mudar mentalidades" pode bem ser uma missão do circo. Até 3 de Janeiro, o Porto recebe os Los Quixotes, trio de palhaços do qual Rosa faz parte, uma trupe sincronizada de equilibristas do Circo Nacional de Xangai, actuações impressionantes e vertiginosas dos australianos The Flying Aces, magia e equilibrismo pela dupla italiana Alberto e Nancy Zavatta e as acrobacias das americanas Nicole Burgio, do Cirque du Soleil, e Shannon Mc Kenna. Duas horas de animação, sem animais em palco. Como será o circo do futuro? Lê o artigo completo

Sugerir correcção