ben raynal | flickr
Foto
ben raynal | flickr

Megafone

Basta de relações tóxicas!

Muitas vezes, preferimos estar mal acompanhados do que sós. Na verdade, estamos sós ao estarmos mal acompanhados. Basta de relações tóxicas!

É um tema sempre presente e polémico: porque é que tanta gente continua a ter relações amorosas que, na verdade, são tóxicas? Na maioria dos casos a resposta é: temos medo de ficar sozinhos. Vejamos.

A solidão está longe de ser uma problemática que se associa à terceira idade, como geralmente se pensa. Planta-se cada vez mais aqui e ali, sobretudo num contexto cada vez mais individual, de competitividade, com o tempo voltado para o trabalho (ou procura dele) e com um sentimento sôfrego de que temos de estar desapegados de tudo e de todos porque a rotação exacerbada da sociedade assim o exige, para que tenhamos mobilidade.

Assim, a solidão ataca jovens, adultos, idosos e, de uma maneira ou outra, torna-se um flagelo crescente. Neste contexto de medo das alterações e perdas bruscas, vão surgindo relações amorosas que parecem, de alguma maneira, preencher o vazio emocional e repor alguma segurança por se ter um porto seguro, mesmo que aparente. Então surge o problema: muitas não são minimamente pensadas e verificam-se como relações de domínio, onde se manifestam sentimentos de posse, sem análise mútua de compatibilidade de valores e planos de vida e, por fim, com base no dogma clássico de que alguém, para ser feliz, precisa, inevitavelmente, de ter alguém a seu lado.

Mentira. São apenas valores culturalmente veiculados; podemos ser felizes com alguém, mas podemos muito bem ser felizes sozinhos. Desconstruamos os mitos que nos foram transmitidos de que, só aos pares, é que a vida funciona. Não! Funciona à unidade, aos pares e seja como for, desde que os intervenientes se sintam felizes. Isto de se ser feliz, seja na forma que for, combate implacavelmente a solidão. Mas não haverá nada melhor do que estarmos bem na nossa própria pele. A felicidade também não reside no isolamento numa gruta, mas talvez em sairmos dela ao encontro de pessoas porque temos capacidade para dar e receber amor e não apenas porque nos sentimos mais seguros com alguém ao lado.

A toxicidade de se viver relações que nos fazem mal mas que nos dão a ideia de comodidade emocional, são – metaforicamente – tão tóxicas quanto a poluição atmosférica: vivemos com ela, sabemos que existe mas, mais tarde ou mais cedo, vamos sofrer as consequências.

Liberdade e amor, para connosco próprios.