Em cima da via-férrea de Espinho, surgirá uma pala e o chão lembrará uma rede de pesca

Projecto de 2008 vai sair do papel com praças, posto de turismo, zonas verdes, palmeiras. Comerciantes podem apresentar ideias para ocupar esse espaço maleável.

Fotogaleria
Fotomontagem
Fotogaleria
Imagem virtual
Fotogaleria

A linha férrea que dividia Espinho a meio foi enterrada e os comboios deixaram de passar à superfície em Maio de 2008. A câmara, então liderada pelo socialista José Mota, riscava da lista um objectivo e concluía a obra que custou mais de 60 milhões de euros. O túnel ferroviário de quase mil metros foi então inaugurado, a velha estação veio abaixo, os passageiros passaram a entrar numa nova estrutura construída mais a sul, o cenário da constante passagem de comboios desaparecia do mapa. E o espaço à superfície ficou entregue à sua sorte. Após o rebaixamento da linha, parecia um estaleiro de obras repleto de taipais, depois o chão foi asfaltado para que a zona fosse aproveitada para diversas iniciativas, como concertos e feiras do livro.

Os planos para dar outro visual a essa área à superfície ficaram em banho-maria durante sete anos. Até agora. O projecto que venceu o concurso internacional de ideias em 2008 vai sair da gaveta. A câmara aprovou o estudo prévio de requalificação da zona, entretanto baptizada de Alameda 8, a apresentação pública do projecto acontece ainda este mês, o concurso será lançado no início do próximo ano e a empreitada arranca em meados de 2016. O investimento total ronda os 8,25 milhões de euros, 15% dos quais assegurados pela autarquia, e a intervenção estará cerca de ano e meio em execução num terreno com cerca de 170 mil metros quadrados.

O projecto, assinado pelo arquitecto espinhense Rui Lacerda e pelo arquitecto espanhol Francisco Mangado, não esquece elementos importantes da geografia e história de Espinho, cidade com vista para o mar. O novo espaço surge como uma zona central verde, como uma ante-sala do mar, e que dialoga com a praia e com oceano. As palmeiras, familiares naquela paisagem, são uma das espécies escolhidas para esse imenso verde e a malha do pavimento inspira-se nas redes dos pescadores. O espaço evocará diversas personalidades nascidas ou com fortes ligações a Espinho – como Manuel Laranjeira, Amadeo de Souza-Cardoso, Ramalho Ortigão, Pablo Casais, Soeiro Pereira Gomes, Fausto Neves, entre outros – com momentos alegóricos e alusivos. E tem praças: a Praça do Casino que poderá funcionar como entrada principal à sala de jogos e espectáculos, a Praça Progresso que terá um edifício fora do vulgar, a Praça Nossa Senhora da Ajuda, padroeira da cidade, que será um espaço de encontros com um coreto.

A norte da estação de comboios surge um posto de turismo com espaço para exposições e uma cafetaria. A sul aparece uma grande pala, ou seja, um edifício com paredes suspensas que não tocam no chão - o apoio é feito em zonas específicas -, com aberturas para permitir a entrada por qualquer lado, com cerca de 60 metros de comprimento e 40 de largura, que ocupará um quarteirão. Esta estrutura, que previsivelmente será revestida a azulejos, está desenhada para permitir todos os usos que se quiser, desde feiras, mercados sazonais, espectáculos, concertos, conferências, congressos, jogos de futebol.

Em toda a extensa área, serão colocados objectos urbanos, como bancos, candeeiros, papeleiras, estacionamento para bicicletas, telefones públicos, painéis de informação. A intervenção prevê ainda a construção de um parque de estacionamento subterrâneo, entre as ruas 19 e 37, com capacidade para 400 automóveis, e ainda uma zona verde perene que tape o muro erguido a sul de Espinho, em sequência do enterramento da linha de comboios.

Espaço maleável, novas ocupações
O arquitecto Rui Lacerda, um dos autores do projecto, conhece bem a cidade. É natural de Espinho e vê na intervenção um desafio à comunidade ao não fechar portas a propostas que possam interagir com o espaço público, nomeadamente apresentadas por comerciantes de vários sectores de actividade. “Para que o espaço público seja usado com propostas de quem está às ilhargas. Para que não se caia no comércio retrógrado e conservador. Se o particular não investe, o colectivo não vive”, diz. Pretende-se uma forma diferente de estar na cidade, num “espaço público vivo” que quer evitar que cada um viva no seu casulo. “A cidade está a dar uma oportunidade única de darem um passo em frente”. O novo espaço é, portanto, maleável ao permitir uma ocupação adaptada a diversas realidades. Devolve-se aquele terreno ao usufruto público e espera-se que a comunidade responda com ideias de uso e ocupação que terão de respeitar critérios e serão analisadas.

O verde será contínuo, cosendo-se o nascente com o poente, e incluem-se percursos e formas de estar “bucólicos”. Esse verde é, portanto, um instrumento de unidade e de controlo de escala. E as palmeiras estão de volta, mas não numa lógica de regresso ao passado. “A memória é importante, mas tem de ser selectiva. O passado não volta mais, mas há signos do passado que podem ser referências de hoje para sustentar o futuro. Daí buscarmos a imagem do que foi o ex-picadeiro, não o querendo fazer. São signos de uma memória, mas não de volta do passado ao presente”, explica o arquitecto.

Rui Lacerda garante que não há alterações ao projecto que apresentou em 2008. “Os conceitos básicos são os mesmos do estudo prévio. É preciso inteligência para perceber o que é a evolução de um projecto de arquitectura no tempo e nas características”. O arquitecto fala em adaptações e não num novo projecto, até porque não houve concurso posterior a 2008. “Quem entendeu isto de forma diferente, entendeu mal, contra o interesse de um colectivo em detrimento do interesse clubístico. Há que ser inteligente e depurador das ideias em benefício de uma comunidade”, comenta.

O presidente da Câmara de Espinho, Pinto Moreira, está satisfeito com o desenrolar do processo e recorda que a intervenção que a autarquia fez em 2010, alcatroando a zona à superfície, era “temporária, minimalista, que se destinava apenas a limpar o espaço”. O cenário ficará diferente e o autarca não tem dúvidas de que será “um local lindíssimo e ao gosto dos espinhenses, um local de encontro para todos, para os espinhenses e para quem nos visita”. “Será restaurada a dignidade deste espaço nobre, que fica no coração da cidade”, sublinha.

A câmara quer que o projecto seja segmentado em termos orçamentais e alvo de candidaturas que contemplem ainda uma zona de paragem de autocarros junto à estação de comboios, uma ciclovia de ligação ao concelho vizinho de Vila Nova de Gaia, percursos pedonais, e áreas de paragem curta para permitir a transição de transportes.