Alterações climáticas impõem reforço das dunas da praia de Santo André

Mais de um milhão de euros foram investidos na consolidação da morfologia dunar recorrendo a técnicas de regeneração natural numa área com 55 mil metros quadrados.

As varas de salgueiro são usadas para consolidar as dunas
Foto
As varas de salgueiro são usadas para consolidar as dunas Miguel Manso

A Sociedade Polis Litoral Sudoeste, entidade responsável pela requalificação da praia da costa de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, anunciou a conclusão das obras e assinalou que a intervenção efectuada na zona do litoral alentejano para além de requalificar a praia, preparou o sistema dunar “para os efeitos das alterações climáticas” que, admite, poderão surgir “num futuro próximo”.  

Nos trabalhos de reconstrução e consolidação da morfologia das dunas foram utilizadas técnicas de regeneração natural recorrendo à colocação de paliçadas, estruturas em ramos de salgueiro, e à plantação de cerca de 19.200 plantas de espécies dunares autóctones. Na zona abrangida pela intervenção, procedeu-se ainda à remoção manual de espécies invasoras, como a acácia e o chorão numa área próxima dos 55 mil metros quadrados.

A intervenção na costa da praia de Santo André enquadra-se nas acções que têm sido efectuadas ao longo do litoral português para travar a “tendência erosiva e regressiva e um risco concreto de perda de território”, assinala a Sociedade Polis. Para este cenário, acentua esta entidade, contribuem as alterações climáticas, expressas na “subida do nível médio do mar, na modificação do regime de agitação marítima e nos aumentos da frequência dos episódios meteorológicos extremos e da precipitação concentrada”.  

Álvaro Beijinha, presidente da Câmara de Santiago do Cacém, reforma os argumentos expressos por aquela entidade ao considerar a requalificação da praia da costa de Santo André “fundamental para a protecção de pessoas e bens” por se tratar de uma zona do território litoral de ”grande interesse turístico, essencial para a economia da região”.

A intervenção efectuada contemplou ainda o ordenamento e reconversão de caminhos, a criação de espaços para o estacionamento de viaturas afastados da zona dunar e a instalação de novos acessos e passadiços, em material reciclado, destinados a pessoas com mobilidade reduzida.

O investimento efectuado na requalificação e consolidação da costa de Santo André, no âmbito de uma parceria entre Sociedade Polis Litoral Sudoeste e a Câmara de Santiago do Cacém, superou um milhão de euros e foi apoiado pelo Programa Operacional Temático de Valorização do Território 2007/2013 e cofinanciada a 85% pelo Fundo de Coesão.