Estado Islâmico diz que atacantes de San Bernardino eram "soldados do califado"

FBI investiga massacre de quarta-feira como "um acto de terrorismo". A confirmar-se será o mais sangrento nos EUA desde o 11 de Setembro.

Foto
Farook regressou aos EUA em 2014 com a mulher, Tashfeen Malik AFP/HO

O Estado Islâmico alega que o massacre de 14 pessoas na cidade de San Bernardino, no estado norte-americano da Califórnia, foi cometido por dois dos seus seguidores. A quase reivindicação surgiu na mesma altura em que o FBI confirmou que o ataque está a ser investigado como “um acto de terrorismo” e o Presidente Barack Obama admitiu que o casal – ele americano, ela paquistanesa – tenha sido instigado por “ideologias extremistas violentas”.

Neste sábado, numa mensagem em árabe divulgada online, os jihadistas afirmam que “dois seguidores do Estado Islâmico atacaram há vários dias um centro em San Bernardino na Califórnia, abrindo fogo dentro do local, o que provocou a morte de 14 pessoas e ferimentos noutras 20”. Pouco depois, na versão em inglês da mesma mensagem, os atacantes são identificados como “soldados do khilafah”, a palavra árabe para o califado que o Estado Islâmico proclamou nos territórios que controla na entre a Síria e o Iraque, no Verão de 2014.

Em nenhum dos registos, porém, é dito se Syed Farook, funcionário do departamento de saúde do condado local, ou Tashfeen Malik, com quem se casou durante uma viagem à Arábia Saudita, agiram a mando da organização terrorista, ao contrário do que aconteceu após os atentados de 13 de Novembro em Paris.

O Facebook confirmou, entretanto, que uma declaração jurando fidelidade ao Estado Islâmico foi publicada numa conta que Malik terá criado em alternativa à sua. Não é, porém, claro quando terá sido feita essa publicação – algumas fontes sugerem que terá sido pouco antes do ataque ao centro onde estavam reunidos os colegas de Farook, outros jornais adiantam que terá sido efectuada na mesma altura dos disparos. O jornal Los Angeles Times, citando fontes também da investigação, tinha já avançado que Farook teria mantido contacto através da Internet com dois grupos extremistas estrangeiros, incluindo a Frente al-Nusra, o braço da Al-Qaeda na Síria.

“Estamos agora a investigar estes actos horrendos como um acto de terrorismo”, disse, sexta-feira à noite em Los Angeles, o director adjunto do FBI, David Bowdich, explicando que o trabalho policial se encaminhou nessa direcção face às provas de que o casal “tentou destruir o seu rasto digital”, à quantidade de armas que armazenavam em casa e ao grau de preparação que a operação envolveu.

Bowdich confirmou que Malik, ou alguém em seu nome, usou as redes sociais para se associar ao Estado Islâmico, mas insistiu que não existem indícios de que os dois atacantes “integrassem um grupo organizado ou fizessem parte de uma célula terrorista”. O responsável revelou que junto ao local do ataque foram encontrados dois telemóveis e, apesar de terem sido danificados, os investigadores esperam resgatar dados que permitam apurar que contactos o casal manteve antes do massacre.  

A confirmar-se a pista do extremismo islâmico, este será o pior ataque do género em solo americano desde os atentados de 11 de Setembro, em 2001. Uma má notícia para o Presidente norte-americano, acusado pela oposição republicana de falta de empenho na luta contra o Estado Islâmico. O rumo das investigações promete também mudar o foco do debate, centrado até agora nas leis de controlo de armas – a primeira reacção de Barack Obama foi pedir novamente ao Congresso que legislasse sobre esta matéria.

Os candidatos republicanos à presidência estão já a usar o ataque como justificação para recusar o plano de Obama para acolher dez mil refugiados sírios no país durante o próximo ano ou para criticar as opções da sua Administração em matéria de segurança nacional. “O terrorismo islâmico quer destruir o nosso modo de vida, atacar a nossa liberdade”, afirmou Jeb Bush, num tom partilhado pelos seus correligionários. “Esta nação precisa de um Presidente para um tempo de guerra”, acrescentou Ted Cruz, dizendo que os extremistas declararam guerra ao país, “queira ou não queira esta administração percebê-lo ou esteja disposta a assumi-lo”.

O Presidente norte-americano disse neste sábado que “é possível que os dois atacantes se tenham radicalizado” algures num passado recente. “Se for esse o caso, [o massacre na Califórnia] ilustra bem a ameaça na qual nos temos concentrado nos últimos anos: o perigo de pessoas que sucumbem a ideologias extremistas violentas”, disse Obama no seu discurso semanal através da rádio, lembrando que há muito que o Estado Islâmico “e outros grupos encorajam activamente as pessoas a cometerem actos terríveis”.

Os EUA, que desde Agosto de 2014 bombardeiam o Estado Islâmico, primeiro no Iraque e depois na Síria, tinham já anunciado uma intensificação dos ataques aéreos após os atentados de Paris. Já nesta semana, Obama anunciou que vai enviar uma centena de membros das forças especiais para o Iraque a fim de coordenarem, a partir do solo, os ataques aéreos, que se juntam aos 50 que actuam já na Síria. “Somos americanos. Vamos defender os nossos valores, os de uma sociedade aberta e livre. Somos fortes, somos resistentes, não nos deixaremos aterrorizar”.