GNR identificou quase 3500 pessoas com deficiência a viverem sozinhas ou isoladas

De um total de 5746 pessoas com deficiência em situação de vulnerabilidade sinalizados nos primeiros nove meses deste ano, a GNR encontrou ainda mais de 480 em ambas as situações: a viverem sozinhas em locais isolados.

Foto
O programa de Apoio a Pessoas com Deficiência foi lançado há um ano pela GNR Bruno Lisita

O primeiro ano do Programa de Apoio a Pessoas com Deficiência, lançado pela Guarda Nacional Republicana (GNR), em Dezembro de 2014, está quase a chegar ao fim. E num levantamento feito nos primeiros nove meses desde ano, a autoridade identificou no país 5746 pessoas com deficiência e sem apoio.

Os números foram avançados esta sexta-feira pela TSF e confirmados ao PÚBLICO pelo capitão Ricardo Silva, que explicou que a GNR distingue as pessoas que, além de terem uma deficiência, vivem sozinhas ou isoladas, ou ambas.

Das quase 6000 pessoas sinalizadas, 3122 vivem sozinhas. Além disso, 317 das pessoas sinalizadas não estão sozinhas mas vivem isoladas, por exemplo em aldeias ou zonas rurais de difícil acesso. Juntando as situações das que estão sozinhas ou vivem isoladas, contam-se 3439 pessoas. E são 481 as que vivem sozinhas e, ao mesmo tempo, estão isoladas, porque, por exemplo, não vivem num prédio ou numa zona com outras habitações por perto.

A GNR identifica ainda, até Setembro de 2015, a categoria relativa a outras situações, de pessoas com deficiência, que não estão sozinhas nem isoladas, mas que “fruto da limitação física ou psicológica se tornaram vulneráveis”. Nessas “outras situações”, a GNR identificou 1822 pessoas nos primeiros nove meses deste ano.

Os dados disponíveis esta sexta-feira não estavam repartidos por distrito nem por zonas urbanas ou rurais. Por agora, é possível saber que a maioria das pessoas com deficiência em situação vulnerável são homens (3051). As restantes 2695 pessoas com deficiência em situação vulnerável são mulheres.

A todas estas pessoas, a GNR aconselha a registarem-se no programa Residência Segura, para poderem ter a sua residência sinalizada no mapa das visitas de proximidade realizadas por elementos desta força destacados para os programas especiais.

No seu conjunto, estes programas especiais abrangem as crianças nas escolas, as pessoas com deficiência sinalizadas, bem como os idosos, também sinalizados, durante um patrulhamento ou porque foram sinalizados nas operações Censos Sénior, iniciadas pela GNR em 2011. Para estes programas especiais, cada destacamento territorial dispõe de uma equipa que realiza as visitas feitas num mesmo trajecto várias vezes por mês.