Suu Kyi reuniu-se com militares para preparar “transição pacífica”

Vencedora incontestada das eleições de Novembro, a líder da LND espera liderar o próximo governo birmanês.

O general Min Aung Hlaing e Suu Ky
Foto
O general Min Aung Hlaing e Suu Kyi PHYO HEIN KYAW/AFP

Aung San Suu Kyi, cujo partido venceu com larga maioria as primeiras eleições livres em 25 anos na Birmânia, encontrou-se nesta quarta-feira com o Presidente cessante e o chefe do Exército para preparar uma “transição pacífica”.

O sistema político birmanês, herdeiro da junta militar, impõe um longo período de transição entre as eleições legislativas e a entrada em funções do novo poder. Trata-se de um inquietante lapso de tempo de vários meses, num país que em 1990 já tinha votado na Liga Nacional para a Democracia (LND), esperando assim livrar-se da junta. No entanto, os militares ignoraram os resultados e mantiveram-se no poder.

Com a preocupação de não ofender os seus adversários políticos e de conseguir uma transição tranquila, Suu Kyi, de 70 anos, que não organizou um grande comício para celebrar a sua vitória, pediu conversações rápidas de “reconciliação nacional” como os homens-chave do regime pós-junta.

A líder da LND e Thein Sein, o general que passou a Presidente, “discutiram a forma de transferir o poder de forma pacífica ao novo governo”. “Entre as duas partes, as discussões foram calorosas e abertas”, declarou no final do encontro Ye Htut, porta-voz do Presidente. “Desde a nossa independência em 1948, nunca tivemos uma transição política pacífica”, recordou.

Thein Sein vai continuar em funções até Març,o porque o novo Parlamento que deverá eleger o próximo Presidente só vai tomar posse em Fevereiro.

Suu Kyi, que viveu em prisão domiciliária durante 15 anos, também se reuniu com Min Aung Hlaing. O chefe do Exército é, em virtude da Constituição birmanesa, o líder de facto do país, que, entre outras coisas, nomeia os ministros do Interior e da Defesa.

No final deste segundo encontro, a Nobel da Paz e o general concordaram em “cooperar para a estabilidade e a paz, o respeito das leis, a unidade e a reconciliação e o desenvolvimento do país segundo os desejos do povo”, segundo um comunicado publicado na página do Facebook oficial de Min Aung Hlaing.

A LND, que arrecadou quase 80% dos votos nas legislativas de 8 de Novembro, não fez nenhum comentário depois dos dois encontros.

Suu Kyi já se encontrou com Shwe Mann, o presidente da câmara baixa do Parlamento, que alguns analistas apontam como um possível Presidente de compromisso.

A líder histórica da oposição birmanesa não pode ser Presidente por causa de uma Constituição herdada da junta que proíbe o exercício do cargo presidencial a todas as pessoas que tenham filhos estrangeiros: uma lei feita à medida de Suu Kyi, cujos dois filhos são britânicos, fruto do casamento com Michael Aris, que morreu em 1999.

Mas a filha do general Aung San, herói da independência birmanesa, avisou antes das eleições que tinha um “plano” e que ela “estaria acima do Presidente”.

Ao decidir em 2011 a sua autodissolução, a junta permitiu à Birmânia uma saída de décadas de ditadura militar e isolamento internacional que deixaram o país na miséria. Isto apesar de o poder político ter continuado concentrado nas mãos dos antigos generais.