400 milhões de euros por 170 jogos do Benfica na Luz

Acordo entre a operadora de telecomunicações NOS e os “encarnados” será válido inicialmente por três temporadas, mas pode prolongar-se por uma década, e engloba também a Benfica TV

Foto
Os direitos televisivos dos jogos do Benfica foram vendidos à NOS Oxana Ianin

Está confirmado um dos maiores negócios de sempre no futebol português: a NOS informou nesta quarta-feira ter celebrado um contrato para a compra dos direitos de transmissão televisiva dos jogos do Benfica na Liga portuguesa disputados no Estádio da Luz, para os mercados nacional e internacional, por um valor que pode atingir os 400 milhões de euros. O contrato, que engloba também os direitos de transmissão e distribuição do canal Benfica TV (BTV), terá início na próxima temporada e irá prolongar-se, inicialmente, por três anos, podendo ser alargado por mais sete.

“O contrato terá início na época desportiva de 2016-17 e uma duração inicial de três anos, podendo ser renovado por decisão de qualquer das partes até perfazer um total de dez épocas desportivas, ascendendo a contrapartida financeira global ao montante de 400.000.000 [de] euros, repartida em montantes anuais progressivos”, revela o comunicado enviado nesta quarta-feira, ao princípio da noite, pela NOS à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Por enquanto, ainda não se sabe se os jogos caseiros dos “encarnados” irão ser transmitidos em exclusivo apenas por esta operadora de telecomunicações, ou se poderão ser revendidos para outras plataformas, como a MEO ou a Vodafone, como acontece actualmente com a Sport TV, ou até mesmo se serão disponibilizados nos mercados moçambicano e angolano através da ZAP, operadora de televisão que é uma participada da NOS. Não foi igualmente esclarecido se os jogos serão emitidos em canal aberto ou por subscrição. A mesma dúvida se coloca em relação ao canal Benfica TV, que tem o exclusivo para Portugal das ligas italiana e francesa, para além da Premier League, embora neste último caso o actual contrato termine no final da actual época desportiva.

Todos estes cenários estão ainda em aberto, segundo o PÚBLICO conseguiu apurar junto de uma fonte da NOS. Inclusivamente a possibilidade de os jogos do Benfica poderem voltar a ser transmitidos pela Sport TV (canais com quem a NOS divide a propriedade com o empresário Joaquim Oliveira, detendo cada entidade 50% do capital). O contrato assinado com o clube da Luz é válido para a transmissão e distribuição, mas ainda nada está decidido em relação aos formatos.

A NOS remeteu todos os esclarecimentos para uma conferência de imprensa a realizar na próxima quinta-feira, dia 10 de Dezembro.

O pressuposto inicial que envolveu as negociações entre a operadora e o Benfica previa um contrato de três anos, apesar de a contrapartida acordada poder dilatar este acordo até aos dez anos, o que, a verificar-se, implicaria então a tal receita de 400 milhões de euros aos “encarnados”. Um valor que não terá uma distribuição uniforme por cada um dos anos desportivos, mas tenderá a aproximar-se progressivamente dos 40 milhões de euros por temporada e eventualmente ultrapassar este montante.

Este valor duplicará a receita que o Benfica atinge actualmente com a emissão dos jogos caseiros do campeonato na estação televisiva do próprio clube. Em termos líquidos, os lucros gerados com a BTV rondaram os 17 milhões de euros na temporada de 2013-14, mas terão aumentado na última época. Para explorar os seus próprios direitos televisivos dos jogos de futebol, os responsáveis “encarnados” recusaram uma proposta da Sport TV de 22 milhões de euros por temporada há pouco mais de dois anos.

O actual acordo com a NOS terá sido precipitado pelo recente interesse manifestado também pela MEO na aquisição dos direitos dos jogos do Benfica. As operadoras estarão também em contactos com o FC Porto e o Sporting, mas, para já, ambos os clubes têm contrato válido com a Sport TV até ao final da temporada de 2017-18.

Com o negócio confirmado entre a NOS e o Benfica, esfuma-se também a possibilidade de uma centralização da venda dos direitos televisivos dos jogos de futebol em Portugal, como tem sido defendido pela Liga de futebol. Até ao momento, Pedro Proença, presidente do organismo que gere as competições profissionais, ainda não teceu qualquer comentário sobre o tema. O PÚBLICO tentou ainda obter uma reacção do Benfica, sem sucesso, até à hora de publicação desta notícia.

Quem reagiu efusivamente foi o mercado bolsista. Os rumores sobre a disputa pelos direitos de emissão dos jogos do Benfica têm estado a beneficiar os títulos da SAD “encarnada”. Ao final da manhã de ontem estavam a subir 15% na bolsa portuguesa e a valer 1,26 euros, depois de terem estado a ganhar quase 28%, para 1,40 euros. No final do dia, o valor fixou-se ligeiramente abaixo deste máximo, com cada acção a valer 1,34, o que traduz uma valorização de 22,7%. com Ana Brito