Peregrinos de Santiago arriscam-se a ser desviados para “maus caminhos”

Acima do rio Douro é crescente o número de freguesias que adere à “descoberta” ou à criação de novos trajectos concebidos por mero interesses comercial e à revelia do conhecimento histórico.

Foto
Peregrinos arriscam-se a perderem-se ou a seguir sinalética que só os leva a espaços de restauração Fernando Veludo/nfactos

O aumento de peregrinos que se deslocam para Santiago de Compostela através do território português, entre Douro e Minho, está a suscitar nas freguesias atravessadas pelos traçados do Caminho Português da Costa e Caminho Central uma corrida à criação de novos itinerários sem outro critério que não o de satisfazer interesses comerciais e de “valorização” turística. O alerta foi deixado por Arlindo Magalhães, professor da Universidade Católica Portuguesa, no colóquio Novas Perspectivas do Caminho de Santiago em Portugal e Espanha, realizado no início do mês em Beja, organizado pela Secretaria de Estado de Cultura do Governo de Espanha e pelo Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHADB). Indivíduos e até empresas galegas, sem autorização de ninguém, “inventam” novos caminhos para Santiago que não possuem qualquer validade histórica, tornando a tarefa do peregrino difícil e desgastante.

Por detrás destas iniciativas “estão interesses económicos e comerciais”, lamenta o docente, que apela à criação de um “comité nacional ou regional”, composto por peritos que consigam “pôr alguma ordem numa grande balbúrdia” que existe na região Norte do país, precisamente o território de “maior densidade na devoção jacobeia em toda a Europa” e que é atravessado pela segunda maior rota, em todo o mundo, de peregrinação a Santiago de Compostela.

O teor das intervenções efectuadas durante o X Encontro de Hospitaleiros do Caminho Português, realizado em Setembro de 2011 na cidade de Pontevedra, em Espanha, já era revelador do problema agora retratado por Arlindo Magalhães. O cónego delegado de Peregrinações da Catedral de Santiago de Compostela, D. Jenaro Cebrián Franco, na intervenção que então fizera no encontro, já deixara claro que os Caminhos para Santiago “não podem ser vistos e entendidos como uma moda ou algo turístico” e que a Igreja “é contra” a abertura de novos itinerários que “surjam sem qualquer sentido, desvirtuando o verdadeiro significado da fé e da peregrinação”.

Decorridos quatro anos, César Maciel, presidente da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago, de Viana do Castelo, concorda com o tom crítico expresso por D. Jenaro Cebrián Franco em Pontevedra. Nos esclarecimentos que prestou ao PÚBLICO referiu que “as câmaras sempre se recusaram a dialogar com as associações”, destacando a ausência de uma “entidade coordenadora” do Caminho Português da Costa e do Caminho Central que atravessam vários concelhos no litoral norte.

“É cada um para seu lado” e “cada um decide e trabalha como quer”, sublinha César Maciel, denunciando o aparecimento de uma série de novos itinerários que “subvertem” o sentido religioso das ligações a Santiago de Compostela. As consequências evidenciam-se com demasiada frequência: a sinalética que é colocada a indicar os caminhos é de tal forma confusa que os peregrinos ficam perdidos, “porque alguém pintou setas onde não devia”, denuncia o presidente da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago. Pior ainda: nos locais onde não existem elementos históricos “inventam-se para instalar um café ou um restaurante”.

O litoral minhoto “já tem que chegue” de sinais pintados ou colocados em todo o lado. Mesmo assim aparecem “indivíduos da Galiza que só querem sinalizar”. Um deles “até já começou a marcar a partir de Setúbal sempre junto ao mar” para criar um novo caminho, acrescenta César Maciel.

E o que motiva este tipo de procedimentos? “É o argumento do desenvolvimento económico, da valorização do comércio local e do acesso mais fácil aos fundos comunitários.” A reabilitação de património ou a instalação de equipamentos de restauração ou hoteleiros “tem mais hipóteses” de ser aprovada e “o objectivo é incluí-las no caminho de Santiago”, precisa César Maciel. Explica que “um dos problemas sérios que persistem no Caminho Português da Costa “são os mapas elaborados pelas autarquias”. Chega a haver um por cada concelho, sem ligação entre si, e depois cria-se um quebra-cabeças para os peregrinos que os utilizam.

Há 48 tipos de sinais
Também Pedro Brochado, responsável pelos assuntos relacionados com os Caminhos de Santiago na Câmara de Vila do Conde faz referência à situação confusa e dá um exemplo: “No Caminho Central, entre o Porto e Valença, existem 48 tipos distintos de sinalética indicativa.” Admite que persiste “uma lacuna considerável ao nível da coordenação de esforços” entre autarquias e associações de apoio ao peregrino, mas garante que “estão a ser dados passos para a eliminar”.

Enquanto isso não acontece, “os diversos itinerários têm vindo a ser adulterados por diversos actores locais, muitos deles sem rosto, ou fora de Portugal”, confirma Pedro Brochado, criticando os que “inventam trajectos sem qualquer validade histórica”. Esta situação torna a gestão destes itinerários uma “tarefa árdua”. Mesmo assim, o município de Vila do Conde “mantém a vontade férrea de garantir uma melhor qualificação dos trajectos históricos” que cruzam o seu território, assinala aquele responsável.

A abertura de novas rotas sem qualquer suporte científico e histórico “é um problema grave”, prossegue Pedro Brochado. “Se, por um lado, são criados itinerários que desvirtuam o nosso legado histórico, por outro lado, criam-se expectativas junto das comunidades locais que dificilmente poderão ser enquadradas no âmbito dos Caminhos de Santiago, pelo menos enquanto a História for a base para a sua existência.”

Esta questão só poderá ser resolvida se a “marca Caminho de Santiago for registada”. É uma “tarefa complexa”, que só poderá ser concretizada por “uma entidade com competências nacionais ou mesmo internacionais”, advoga Pedro Brochado.

A subalternização da componente religiosa do Caminho de Santiago é igualmente sublinhada por Fernando Completo, professor da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, ao reconhecer, durante o colóquio realizado em Beja, a necessidade de “reflectir sobre as tendências do consumo turístico”. No campo das motivações admite que “são os filmes, os relatos, e não a dimensão religiosa, que levam ao caminho”, dando como exemplo a “ostentação do poder dizer ‘Estive em Santiago de Compostela’ expressa através do certificado ou do passaporte”.

Mais assertivo, o director do DPHADB, José António Falcão, um dos coordenadores do colóquio realizado em Beja, alerta para “o risco de o Caminho de Santiago poder vir a perder a sua matriz cristã, espiritual”, realçando a importância de debater este tema antes que seja demasiado tarde para um dos destinos de peregrinação cristã mais importantes do mundo, só superado pelos de Roma e Jerusalém.