Desemprego regressa aos níveis de Maio, para 12,4%

Números provisórios do INE apontam para 632 mil desempregados em Outubro. Emprego e desemprego sem alterações face a Setembro.

Foto

Afinal, o desemprego não baixou em Setembro, aumentou. A taxa subiu de forma ligeira para 12,4% e, em Outubro, manteve-se ao mesmo nível, superando nesses dois meses o nível de desemprego registado em Junho, Julho e Agosto.

Ao divulgar nesta segunda-feira os números do mercado de trabalho de Outubro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou também o valor definitivo da taxa de desemprego de Setembro. E ao contrário da estimativa provisória, em que se apontava para uma descida do desemprego, o número agora divulgado vem mostrar uma tendência inversa: uma ligeira subida em Setembro e, agora, uma estagnação (12,3% em Julho e Agosto; 12,4% em Setembro e Outubro).

O desemprego está ao nível de Maio deste ano. Só durante alguns meses de Verão houve um período em que a taxa esteve ligeiramente abaixo dos 12,4%. Há 632,7 mil pessoas contabilizadas como desempregadas. Ainda que em termo absolutos o número tenha baixado em 1700 (um recuo de 0,3%), a descida de Outubro não foi suficiente para alterar a taxa. Do total de desempregados, 317,2 mil são homens e 317,1 mil são mulheres. Assim, enquanto na população masculina a taxa de desemprego é de 12%, na população feminina é um pouco mais alta, nos 12,7%.

PÚBLICO -
Foto

Entre os jovens (a faixa etária entre os 15 e os 24 anos) há 118,2 mil pessoas registadas como estando fora do mercado de trabalho, o equivalente a uma taxa de desemprego de 31,8%. Este valor teve uma descida ténue em relação a Setembro, de apenas uma décima.

Emprego estagna
Em Outubro, a tendência de estagnação que se verificou no desemprego também aconteceu com o emprego, onde a taxa se manteve inalterada face a Setembro em 57,3%. O número de pessoas no mercado de trabalho é de 4,47 milhões, “o que representa uma diminuição de 1,9 mil face ao mês anterior e corresponde a uma variação relativa quase nula”.

A população empregada diminuiu para os homens (0,2%; 4,5 mil) e aumentou 0,1 % para as mulheres (2,7 mil). Entre os jovens, registou-se um aumento de 0,6% (1,5 mil), enquanto na população dos 25 aos 74 anos o emprego continuou praticamente inalterado em relação a Setembro.

As estatísticas mensais que o INE divulga sobre o mercado de trabalho referem-se a trimestres móveis, em que há um mês de referência (neste caso, Outubro) que corresponde sempre ao mês central desse trimestre (Setembro, Outubro e Novembro).

Paralelamente aos dados mensais, o INE publica as estatísticas trimestrais e, aí, já é possível perceber algumas tendências, vendo por exemplo como está a evoluir a população activa e a inactiva. A estimativa de desemprego mais recente é a do terceiro trimestre (de Julho a Setembro), altura em que a taxa estabilizou nos 11,9%, depois de uma forte queda na primeira metade do ano.

Os números mensais agora publicados são ainda provisórios, podendo ser revistos daqui a um mês – como sempre tem acontecido. O INE só começou a publicar desde há um ano estas estatísticas mensais (apresenta uma primeira estatística relativa ao mês anterior e, no mês seguinte, revela a definitiva). Porém, o fim da divulgação dos dados provisórios chegou a ser ponderado pelo INE, depois de uma polémica em torno da taxa de desemprego de Maio.

Tudo porque numa primeira estimativa o INE apontou para uma subida do desemprego de 13% em Abril para 13,2% em Maio (naquela que seria o primeiro agravamento do desemprego depois de três meses de descida). Mas com a divulgação do valor definitivo apontou antes para uma diminuição da taxa para 12,4%.

A cada vez que o INE divulga os dados do desemprego, é comum cada partido reagir publicamente. O caso gerou controvérsia durante a pré-campanha eleitoral. Foi então, em Agosto, que a presidente do INE, Alda Carvalho, veio admitir a possibilidade de apenas divulgar as estimativas definitivas, atrasando em um mês o acesso a estes números, mas até agora o instituto estatístico manteve-se fiel à ideia inicial.