Crónica de jogo

Benfica foi rápido a resolver o problema Braga

O campeão nacional marcou duas vezes nos minutos iniciais e impôs o primeiro desaire caseiro da época aos bracarenses, roubando-lhes o terceiro lugar do campeonato.

Os jogadores do Benfica festejam um dos golos marcados em Braga
Foto
Os jogadores do Benfica festejam um dos golos marcados em Braga Miguel Riopa/AFP

Depois de os últimos sete jogos entre Sporting de Braga e Benfica na “Pedreira” terem sido decididos por uma diferença de um golo ou menos, o bicampeão conseguiu uma vantagem de dois nos primeiros minutos que lhe serviu de almofada até final para garantir um triunfo importante. O clube lisboeta ganhou 0-2 em Braga e roubou o terceiro lugar na Liga ao seu adversário desta segunda-feira.

O Benfica inaugurou o marcador logo no terceiro minuto num lance que acabou por ser um autogolo do guarda-redes Stanislav Kritciuk, mas causado por um remate de Pizzi, e aumentou a diferença pouco depois, aos 11’, através do defesa-central Lisandro López.

PÚBLICO -
Foto

Com dois golos nos primeiros três remates efectuados, a equipa de Rui Vitória partiu para um jogo confiante e um triunfo de qualidade frente a um adversário forte.

Apesar de derrotado, o Sp. Braga não deixou de mostrar a atitude que o tornou um dos melhores conjuntos do campeonato. Não ficou decisivamente perturbado pelos golos sofridos, nunca deixou de procurar voltar ao jogo e até acertou com perigo nos ferros da baliza benfiquista três vezes, mas partiu para esta corrida com duas voltas de atraso.

Mitroglou foi, desta vez, o avançado escolhido por Vitória e o grego rapidamente teve influência no encontro, ao manter viva, com um toque de calcanhar, a jogada que terminou no primeiro golo. Pizzi aproveitou a insistência do avançado, trabalhou bem e viu Baiano tentar travar o remate, com a bola a embater ainda nas costas de Kritciuk antes de entrar.

Alan esteve perto de empatar aos 6’, num livre directo, mas Júlio César deu sempre segurança à sua equipa, opondo-se àquilo que os seus defesas não conseguiram resolver.

Já depois de Lisandro ter dobrado a vantagem após um canto, o guarda-redes voltou a ser decisivo: Hassan cabeceou ao poste e na recarga Rafa obrigou o brasileiro a uma grande defesa (15’).

Com Fejsa, Pizzi e Renato Sanches em bom plano — o jovem médio mostrou novamente ser uma mais-valia — e a ajudarem na pressão, o Benfica controlou as operações perante um Sp. Braga que nunca deixou de ser ambicioso.

No início da segunda metade, houve empate nos livres à barra (Gaitán para os lisboetas, Filipe Augusto para os bracarenses) e nos penáltis reclamados (Pizzi e Hassan) e um Sp. Braga mais assertivo, mas nada que alterasse o resultado.

O Benfica impôs a primeira derrota caseira ao Sp. Braga nesta época e ficou com os três pontos, melhorando o seu registo como visitante, um estatuto com o qual tem sentido dificuldades.