Os centro-africanos pediram perdão, o Papa pediu-lhes a paz

Francisco lançou um forte apelo à reconciliação num país onde a violência entre cristãos e muçulmanos deixou uma imensa ferida aberta.

Francisco no campo de deslocados da da paróquia de São Salvador
Fotogaleria
Francisco no campo de deslocados da da paróquia de São Salvador GIANLUIGI GUERCIA/AFP
Pelas ruas de Bangui
Fotogaleria
Pelas ruas de Bangui GIANLUIGI GUERCIA/AFP
As boas vindas de uma criança no campo de deslocados da da paróquia de São Salvador
Fotogaleria
As boas vindas de uma criança no campo de deslocados da da paróquia de São Salvador GIANLUIGI GUERCIA/AFP
Tendas de deslocados e o avião do Papa à chegada a Bangui
Fotogaleria
Tendas de deslocados e o avião do Papa à chegada a Bangui GIANLUIGI GUERCIA/AFP
Festa de despedida
Fotogaleria
Festa de despedida GIANLUIGI GUERCIA/AFP
A população nas ruas de Bangui
Fotogaleria
A população nas ruas de Bangui GIANLUIGI GUERCIA/AFP

O Papa Francisco pediu este domingo aos centro-africanos para resistirem ao “medo do outro”, seja qual for a sua religião ou etnia, para que seja colocado um ponto final na selvática violência intercomunitária que varre o país desde 2013. Estes, pela voz da sua Presidente interina, Catherine Samba-Panza, pediram-lhe “perdão”.

Francisco percorreu os quatro quilómetros que separam o aeroporto de Bangui e o palácio presidencial a bordo de um jeep branco descapotável para ser saudado por uma multidão em alegria, vigiada de perto pelos capacetes azuis das Nações Unidas e as forças policiais e militares do país.

Depois de ter passado pelo Quénia e o Uganda, a República Centro-Africana era considerada a etapa mais arriscada do primeiro périplo africano do Papa Francisco. Daí as medidas de segurança extraordinárias que acabaram por não ensombrar o clima de festa que se viveu nas ruas da Bangui.

Frente a Catherine Samba-Panza, o Papa convidou os centro-africanos a evitar o isolamento comunitário, numa referência à crescente “balcanização” do país, com muçulmanos e cristãos a viverem cada vez mais em comunidades isoladas. “É preciso evitar a tentação do medo do outro, daquele que não pertence à nossa etnia, às nossas opções políticas ou à nossa confissão religiosa.”

“O meu desejo mais ardente”, disse Francisco, “é que as diferentes consultas nacionais que se vão realizar daqui a algumas semanas permitam ao país iniciar serenamente uma nova etapa da sua história”. No dia 27 de Dezembro deverão realizar as muitos vezes adiadas eleições presidenciais e legislativas no país.

A mensagem de Francisco repetiu-se num campo de deslocados da paróquia de São Salvador, onde vivem 3700 mulheres e crianças, principalmente cristãs, que fugiram à violência dos rebeldes muçulmanos Séléka. “Queremos a paz. Não há paz sem perdão, sem tolerância. Seja qual for a etnia, a condição social, somos todos irmãos”, disse o Papa que pediu à assistência para repetir bem alto: “somos todos irmãos”.

Antes, ainda no palácio presidencial e dirigindo-se a Francisco, a Presidente Catherine Samba-Panza, pediu “perdão por todo o mal” cometido pelos centro-africanos durante o conflito intercomunitário que ensanguentou o país desde 2013. “Cabe aos filhos e as filhas deste país reconhecerem as suas falhas e pedirem um perdão sincero para que a vossa bendição se transforme num novo alento para a reconstrução do país”, disse Samba-Panza, numa cerimónia de acolhimento do Papa no palácio presidencial.

“Em nome de toda a classe dirigente deste país, mas também de todos aqueles que contribuíram para a descida ao inferno, confesso todo o mal que foi feito e peço perdão do fundo do meu coração. Os centro-africanos infligiram sofrimentos inqualificáveis a outros centro-africanos. Temos absolutamente necessidade deste perdão porque os nossos corações estão empedernidos pelas forças do mal. O amor sincero ao próximo abandonou-nos e estamos presos à intolerância”, afirmou a Presidente.

A República Centro-Africana vive mergulhada na violência desde que os rebeldes de maioria muçulmana, os Séléka, tomaram o poder em Março de 2013. O país assistiu desde então a uma violência extrema dos rebeldes contra a população civil e um ciclo infernal de represálias intercomunitárias entre combatentes Séléka e os milicianos cristãos anti-balaka que provocou milhares de mortos e milhões de deslocados. A intervenção militar francesa em Dezembro de 2013 expulsou os Séleka do poder e permitiu o arranque de um difícil e lento processo de pacificação.

O perdão que Samba-Panza pediu seria dado mais tarde na Catedral de Bangui, onde Francisco abriu “uma porta santa” antes do “jubileu da misericórdia” que se abrirá oficialmente daqui a dez dias em Roma para o mundo inteiro. Os crentes centro-africanos foram deste modo convidados a fazerem uma peregrinação atravessando essa porta para obterem a redenção dos seus pecados.

A Presidente agradeceu ao Santo Padre: “A vossa visita é uma bênção dos céus, uma vitória da fé sobre o medo, sobre a descrença, e uma vitória da compaixão e da solidariedade da Igreja universal.”

Sugerir correcção