Tyson Fury faz cair um mito do pugilismo mundial

Britânico surpreendeu na Alemanha, ao derrotar o até agora campeão de longa data Wladimir Klitschko, por decisão dos juízes.

Fotogaleria
Kai Pfaffenbach/Reuters
Fotogaleria
Kai Pfaffenbach/Reuters
Fotogaleria
Kai Pfaffenbach/Reuters
Fotogaleria
Kai Pfaffenbach/Reuters

Tyson Fury causou sensação no mundo do pugilismo, ao derrotar, na noite deste sábado, o campeão mundial de pesos-pesados, Wladimir Klitschko, num combate que durou 12 assaltos. Em Dusseldorf, na Alemanha, o britânico surpreendeu o ucraniano, que sofreu desta forma a primeira derrota nos últimos 11 anos.

O triunfo foi obtido por pontuação dos juízes (os três deram a vantagem a Fury, dois por 115-112 e um por 116-111) e as estatísticas mostram que o britânico foi sempre mais agressivo, desferindo mais golpes à cabeça e ao tronco - na verdade, Klitschko, de 39 anos, conseguiu somente quatro socos no tronco do adversário ao longo de todo o combate.

Fury, um inglês exuberante (na conferência de imprensa de lançamento do combate, por exemplo, surgiu vestido de Batman) e provocador (instigou o adversário ao longo dos últimos dias chamando-lhe velho e aborrecido), torna-se no primeiro pugilista do país desde 2009 a arrebatar o cinto de campeão do mundo da categoria.

De resto, o novo campeão melhorou, desta forma, o seu recorde profissional para 25 vitórias e zero derrotas, sendo actualmente o detentor dos cintos da WBA, WBO, IBF e IBO.

E enquanto Tyson Fury terminou a sua performance no ringue com mais uma amostra de excentricidade, trauteando uma música dos Aerosmith ("I don't want to miss a thing"), Klitschko, com o sobrolho ensanguentado, apelou de imediato a uma segunda oportunidade: "Impõe-se uma desforra, não há dúvidas sobre isso".