Torne-se perito

Rússia e Turquia põem água na fervura e afastam-se da guerra

Rússia classifica abate de um caça pela Turquia como uma "provocação planeada", mas assegura que as relações com o povo turco "não se alteraram". Ancara diz que "não tem intenção de provocar uma escalada".

Fotogaleria
O caça russo caiu em território sírio Sadettin Molla/Reuters
Fotogaleria
Rebeldes da milícia turcomana Alwiya al-Ashar mostram partes dos pára-quedas russos REUTERS
Fotogaleria
O caça russo caiu em território sírio DR
Fotogaleria
Putin disse que o abate do caça russo foi "uma facada nas costas" dada por "cúmplices do terrorismo" Maxim Shipenkov/Reuters
Fotogaleria
O Presidente turco diz que o seu país "não tem qualquer intenção de provocar uma escalada" Kayhan Ozer/Reuters
Fotogaleria
KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP

A Rússia e a Turquia deram esta quarta-feira passos importantes para o alívio da tensão provocada pelo abate de um caça russo na linha de fronteira com a Síria, na terça-feira. Depois de o Presidente turco ter garantido que o país não vai fazer nada para agravar a situação, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo afastou qualquer hipótese de um conflito armado com a Turquia.

"Não vamos entrar em guerra com a Turquia. As nossas relações com o povo turco não se alteraram", disse o ministro Serguei Lavrov durante uma conferência de imprensa, sublinhando que os seus problemas são "com a liderança" da Turquia. Apesar de afastar totalmente uma resposta bélica, Lavrov considera que o abate de um caça Su-24 pela Força Aérea da Turquia foi "uma provocação planeada".

"Temos sérias dúvidas de que se tratou de uma acção espontânea. Há muitas indicações de que foi uma provocação planeada", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

Horas antes, o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, garantira que o seu país "não tem absolutamente nenhuma intenção de provocar uma escalada após este incidente".

Apesar de ter desmarcado uma viagem à Turquia que estava agendada para esta quarta-feira, o ministro Serguei Lavrov falou ao telefone com o seu homólogo turco, Mevlut Cavusolgu. Algumas agências de notícias chegaram a avançar que os dois responsáveis tinham marcado uma reunião, mas o Governo russo desmentiu essa informação. "Durante uma conversa telefónica entre Lavrov e o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, o ministro russo não aceitou nenhuma das várias propostas", disse a porta-voz Maria Zakharova, citada pela agência russa Interfax.

De acordo com Serguei Lavrov, o seu homólogo turco "tentou justificar as decisões da Força Aérea da Turquia, dizendo que o avião russo sobrevoou o espaço aéreo turco durante um total de 17 segundos" – esta foi também a informação que o Governo da Turquia enviou aos seus parceiros da NATO e às Nações Unidas na terça-feira.

A Rússia continua a afirmar que o caça Su-24 nunca saiu do espaço aéreo sírio, onde participava na campanha de bombardeamentos contra as forças do autoproclamado Estado Islâmico e contra os vários grupos rebeldes que querem derrubar o regime de Bashar al-Assad. Mas, mesmo que tivesse entrado no espaço aéreo turco, a informação de que isso só terá acontecido durante 17 segundos leva Moscovo a dizer que o ataque é "totalmente inaceitável".

Um piloto resgatado e outro "morto de forma selvagem"
Um dos pilotos do caça russo que foi abatido pela Força Aérea turca foi resgatado com vida por soldados do Exército sírio e levado para a base da Rússia no país.

Havia dúvidas quanto ao destino dos dois pilotos do caça Su-24 russo – ambos conseguiram ejectar-se, mas elementos de um grupo rebelde que combate contra as forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, disseram que tinham disparado contra eles durante a descida de pára-quedas. Consoante as versões, um tinha morrido e outro tinha sido capturado com vida, ou teriam sido ambos mortos.

Na manhã desta quarta-feira, o embaixador da Rússia em Paris, Aleksandr Orlov, contou à rádio Europe 1 uma versão diferente: "Um ficou ferido ao ejectar-se e foi morto de forma selvagem por jihadistas que estavam na área. O outro conseguiu escapar e, segundo as informações mais recentes, foi resgatado pelo Exército sírio e estará a ser levado para a base aérea russa."

Segundo as agências de notícias russas, o piloto que foi resgatado diz que não recebeu qualquer aviso por parte das autoridades da Turquia e garante que o seu avião não entrou no espaço aéreo turco.

O outro piloto russo foi morto por elementos da milícia turcomana Alwiya al-Ashar, que é apoiada pela Turquia e pelos EUA no combate contra as forças do Presidente sírio, ao lado de inúmeros grupos rebeldes – desde os que Washington descreve como "moderados" até aos jihadistas da Frente al-Nusra, o braço da Al-Qaeda na Síria. Todos eles são adversários da Rússia, que está na Síria para ajudar o Presidente Bashar al-Assad.

<_o3a_p>

O caça Su-24 russo foi abatido na manhã de terça-feira, quando voava ao longo da fronteira entre a Síria e a Turquia. Ancara diz que o avião entrou no espaço aéreo turco, onde esteve durante 17 segundos, e que os pilotos russos foram avisados dez vezes durante cinco minutos, à medida que o caça se aproximava do espaço aéreo turco; Moscovo garante que o seu avião não chegou a sair do espaço aéreo sírio, e Vladimir Putin acusou o Governo turco de ser "cúmplice dos terroristas". O caça russo caiu em território sírio, no Norte da província de Latakia.

Um outro militar russo morreu durante as tentativas de resgate dos pilotos do Su-24. Um dos helicópteros Mi-8 enviados pela Rússia para procurar os pilotos foi atingido "em território controlado por gangs armados" e teve de fazer uma aterragem de emergência "em território neutro". Um dos soldados morreu e os restantes foram resgatados, avançou o Estado-maior general das Forças Armadas da Rússia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou esta quarta-feira que vai condecorar o piloto morto na terça-feira, o tenente-coronel Oleg Peshkov, com o título de Herói da Federação Russa. O piloto do caça Su-24 que sobreviveu, o capitão Konstantin Murahtin, e o soldado que morreu na queda do helicóptero Mi-8, Alexksandr Pozinich, vão ser distinguidos com a Ordem da Coragem.

Na terça-feira, o Presidente dos EUA, Barack Obama, fez chegar a mensagem de que a Turquia tem o direito de defender a sua integridade territorial, mas sublinhou que o melhor a fazer para reduzir a tensão é que turcos e russos falem entre si para esclarecerem o que se passou e para que sejam "tomadas medidas para evitar uma escalada".

Também o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu "medidas urgentes para minorar a tensão", incluindo uma investigação que "permita clarificar o que se passou neste incidente e evitar que se volte a repetir".

No final de uma reunião extraordinária da NATO, pedida pela Turquia, o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg, apelou "à calma" para travar o intensificar da crispação entre os dois países, para depois reafirmar que a Aliança Atlântica "está solidária com a Turquia".

Esta quarta-feira, o embaixador da Rússia em Paris chegou a dizer que o seu país admite receber a Turquia numa eventual coligação abrangente contra as forças do autoproclamado Estado Islâmico – uma declaração que terá pouco peso político, já que o Presidente Barack Obama rejeitou qualquer coligação, enquanto a Rússia não deixar de bombardear grupos rebeldes apoiados pelos EUA e pela União Europeia.

"Estamos preparados para planear ataques em conjunto contra as posições do Estado Islâmico e para constituir um estado-maior comum juntamente com a França, os EUA, com todos os países que estejam dispostos a integrar esta coligação", disse Aleksandr Orlov. "Se os turcos também quiserem, serão bem-vindos."

Por outro lado, o Ministério da Defesa da Rússia anunciou esta quarta-feira que vai instalar sistemas de defesa antiaérea S-400 na base militar em Hmeimim, na Síria.

<_o3a_p>

<_o3a_p>

Depois de os EUA terem começado a bombardear as posições do autoproclamado Estado Islâmico na Síria e no Iraque, ainda em 2014, a Rússia lançou a sua própria campanha de ataques aéreos na Síria em Setembro deste ano.

O principal objectivo dos EUA e dos seus aliados é derrotar o Estado Islâmico e, ao mesmo tempo, fortalecer os grupos rebeldes que são descritos por Washington como "moderados" e que tentam derrubar o Presidente sírio, Bashar al-Assad; a Rússia tem também como objectivo derrotar o Estado Islâmico, mas, ao mesmo tempo, quer fortalecer o regime de Assad na luta contra todos os rebeldes – "moderados" (que têm o apoio dos EUA) ou jihadistas como a Frente al-Nusra, o braço da Al-Qaeda na Síria, que também luta contra as forças de Assad (e que é considerada pelos EUA uma organização terrorista).

Sugerir correcção