Futuro ministro quer contrariar o cenário de “abandono” na Cultura

João Soares falou brevemente à SIC Notícias sobre a pasta que vai ocupar, dizendo que durante o governo da coligação PSD-CDS o sector esteve numa “situação absolutamente lamentável”.

Foto
João Soares no Parlamento, onde começou por ser deputado em 1987 Daniel Rocha

João Soares falou pela primeira vez enquanto futuro ministro da Cultura na terça-feira, no frente-a-frente com o social-democrata José Matos Correia, na Edição da Noite da SIC Notícias. Na sua breve intervenção sobre o assunto, o deputado socialista disse que, nos últimos quatro anos, os do governo da coligação PSD-CDS, a “cultura esteve completamente abandonada, numa situação absolutamente lamentável”.

Apesar das “dificuldades de natureza financeira” expectáveis, o antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa garantiu estarem agora reunidas as condições necessárias para “dar uma volta às coisas com bom senso, seriedade, respeitando os agentes culturais e transformando a cultura, na medida do possível, num motor de desenvolvimento e de progresso no país”.

No mesmo programa de debate, e segundo a agência Lusa, João Soares revelou ainda que “a primeira pasta” que António Costa lhe propôs "já há algum tempo"  foi precisamente a da Cultura. Recorde-se que o socialista chegou a ser dado como futuro ministro da Defesa, cargo que deverá vir a ser ocupado por José Azeredo Lopes, antigo presidente da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

João Soares considerou ainda como “positiva” a existência de um Ministério da Cultura, uma promessa de campanha do PS, que Costa reitera no programa de Governo.

O PÚBLICO falou esta quarta-feira com o deputado socialista que remeteu quaisquer declarações sobre a pasta que deverá vir a assumir para depois da oficialização do novo executivo chefiado por António Costa. “Seria incorrecto do ponto de vista institucional estar a falar de um cargo que ainda não ocupo”, disse.