Original de vinheta de Tintin no Congo comprado por 770 mil euros

Leilão em Paris estabeleceu também recorde para Tardi.

Foto
BENOIT DOPPAGNE/EPA

Depois da venda de Outubro em que atingiu 1,5 milhões de euros, um novo desenho de Hergé com o seu repórter de poupa voltou a ir à praça com grande sucesso: o esboço para a terceira vinheta de Tintin no Congo foi comprada por 770 mil euros em Paris.

O desenho a lápis e guache pertence a um dos mais emblemáticos (e polémicos) álbuns do autor belga no âmbito das aventuras do jornalista Tintin e sua trupe.

Dois coleccionadores europeus, que licitavam por telefone, descreve a AFP, bateram-se inicialmente pelo desenho. Avaliado entre 300 mil e 500 mil euros, como descreve a agência de notícias AFP, o desenho acabou por ser vendido pela leiloeira Artcurial a um comprador presente na sala em Paris por um valor que ultrapassou as estimativas de venda.

Na mesma venda, foi comprado um desenho do francês Tardi (criador de Adèle Blanc-Sec), La gare de banlieue, por 125.800 euros, um recorde para o autor. Outros Tintin foram à praça, nomeadamente uma edição original de O Caranguejo das Pinças de Ouro (1942), comprado por 25.200 euros. No total, o trabalho de Hergé representou vendas de 1,1 milhão de euros no sábado em Paris.

Em 2014, coube à Artcurial estabelecer um novo recorde para a venda de uma tira de BD – ali foi comprada uma página dupla de desenhos de Hergé, que entre 1937 e 58 preencheram as o interior das capas dos álbuns de Tintin, por 2,1 milhões de euros.