A mulher morreu em Paris e Antoine recusa-se a odiar o Estado Islâmico

"Vocês não terão o meu ódio", diz o viúvo de uma das vítimas do ataque ao Bataclan.

Hélène Muyal tinha 35 anos
Foto
Hélène Muyal tinha 35 anos DR

Hélène Muyal, 35 anos, foi uma das 129 vítimas dos atentados de dia 13 em Paris. Estava no concerto no Bataclan. O seu corpo foi identificado dias depois pelo marido, Antoine Leiris. Na profunda dor de ter perdido a mulher e a mãe do filho de 17 meses, o jornalista na rádio France Bleu escreveu uma carta aberta aos que mataram Hélène e às restantes vítimas dos ataques. “Vocês não terão o meu ódio”, escreve Antoine, num post publicado na sua conta no Facebook.

O texto tornou-se viral nas redes sociais e nos media. Esta quarta-feira, na rede social, a carta tinha sido partilhada perto de 173 mil vezes e recebido 116 comentários.

"Vocês não terão o meu ódio,

Na noite de sexta-feira vocês roubaram a vida de um ser excepcional, o amor da minha vida, a mãe do meu filho, mas vocês não terão o meu ódio. Não sei quem são e não quero sabê-lo, vocês são almas mortas. Se esse Deus pelo qual vocês matam cegamente nos fez à Sua imagem, cada bala no corpo da minha mulher foi uma ferida no Seu coração.

Por isso eu não vos darei o prazer de vos odiar. Vocês procuraram-no, mas responder ao ódio com a cólera seria ceder à mesma ignorância que vos fez ser quem são. Querem que eu tenha medo, que olhe para os meus concidadãos com um olhar desconfiado, que sacrifique a minha liberdade pela segurança. Perderam. Continuamos a viver da mesma maneira.

Eu vi-a esta manhã. Finalmente, depois de noites e dias de espera. Estava ainda tão bela como quando partiu na noite de sexta-feira, tão bela como quando me apaixonei perdidamente há mais de 12 anos. Claro que estou devastado pela dor, concedo-vos essa pequena vitória, mas será de curta duração. Sei que ela nos acompanhará todos os dias e que nos vamos reencontrar nesse paraíso das almas livres ao qual vocês nunca terão acesso.

Somos dois, eu e o meu filho, mas somos mais fortes do que todos os exércitos do mundo. Não tenho mais tempo a dar-vos, quero juntar-me a Melvil que acorda da sua sesta. Tem só 17 meses, vai comer como todos os dias, depois vamos brincar como todos os dias e durante toda a sua vida este rapaz vai fazer-vos a afronta de ser feliz e livre. Porque não, vocês nunca terão o seu ódio."

Numa entrevista ao programa C à vous, no canal France 5após a publicação da carta, Antoine voltou a emocionar os franceses e o mundo. O jornalista partilhou algumas das reacções que recebeu nos dias a seguir ao seu post, nas quais foi considerado "formidável" e "um exemplo". "Não sou um ser formidável, não sou um exemplo. Talvez a raiva vá aparecer, talvez vão existir momentos em que eu vou olhar para os outros cidadãos desconfiado. (...) Ficaremos tristes toda a nossa vida, parte de mim morreu com ela, mas não o vamos permitir, não temos o direito de ceder. Se eu deixar o meu filho crescer com o ressentimento que poderia ser o meu, ele vai tornar-se exactamente o que essas pessoas são", declarou.

Eles morreram na sexta-feira 13 de Novembro em Paris

Sugerir correcção