Cidade do futuro dentro de uma nave espacial estacionada em Braga

Praça da República recebe peça arquitectónica que junta micro-organismos vivos e tecnologia digital capaz de absorver 1,5 quilogramas de dióxido de carbono por dia e produzir proteínas.

O arquitecto Marco Poletto assina a peça
Foto
O arquitecto Marco Poletto assina a peça Sérgio Freitas

A estrutura metálica pintada de negro e o complexo sistema de tubagens, onde corre um líquido esverdeado, parecem saídos de um filme de ficção científica. O contraste com a Arcada e os demais edifícios históricos da Praça da República, no centro de Braga, não podia ser mais evidente. Talvez por isso, mais de uma centena de curiosos juntaram-se à sua volta, na manhã desta terça-feira, enquanto o criador da peça a apresentava. “Nos últimos dias, enquanto fazíamos a montagem, veio muita gente ter connosco perguntando se isto é uma nave espacial”, conta o arquitecto Marco Poletto que assina a peça.

Chama-se Urban Algae Folly e é uma estrutura arquitectónica, que reúne micro-organismos vivos, no caso algas, e tecnologia digital, que faz a monitorização dos processos biológicos e físicos que ocorrem no seu interior. A intenção é “testar o que pode ser o futuro das cidades”. “De certo modo, isto é mesmo uma nave espacial”, continua Poletto. No entanto, esta não nos vai levar a viajar para fora do planeta, mas “vai permitir-nos continuar a viver nele durante muito mais anos”. A peça é o resultado de seis anos de investigação deste arquitecto italiano radicado no Reino Unido, que tem vindo a debruçar-se sobre os problemas da sustentabilidade do planeta. “Temos que encontrar novas formas de gerar energia, alimento e limpar a atmosfera que nos rodeia”, explica.

É precisamente isso que a Urban Algae Folly faz. O líquido esverdeado que corre nas tubagens que captam a atenção de quem passa no centro de Braga está carregado com chlorella vulgaris, uma alga com elevada eficiência fotossintética, que contém até 7% de clorofila natural – a percentagem mais alta de qualquer planta conhecida na terra. A intenção deste arquitecto é que, no futuro, seja possível construir infra-estruturas urbanas que, não só incorporam elementos da natureza, como “intensificam as propriedades da natureza”, como é o caso.

A alga que aqui vai desenvolver-se pode ser colhida e transforma-se num produto alimentar com vitaminas, minerais e ácidos gordos essenciais, fundamentais para o corpo humano, bem como proteínas. Todos os dias, a estrutura vai gerar 35 gramas de chlorella, o que, em termos de proteína, é o equivalente a 750 gramas de carne. Nos três meses em que vai estar instalada em Braga, será capaz de produzir o equivalente de proteína de meia vaca de pequeno porte.

Os micro-organismos e a tecnologia incorporadas nesta peça são também dez vezes mais eficazes do que dez árvores de grande porte a fazer a purificação da atmosfera urbana, garante o seu autor. A promessa é que esta estrutura absorva 1,5 quilogramas de dióxido de carbono por dia e produza metade desse valor de oxigénio, o equivalente ao consumo de um humano adulto diário. Assim será o futuro, garante Marco Poletto: “vamos cada vez mais incorporar bio-tecnologia e tecnologia digital nos ambientes urbanos”.

A visão do arquitecto italiano é que, tal como as urbes da Revolução Industrial — que faziam das suas centrais de produção de energia o seu verdadeiro coração —, possa haver nas cidades do futuro estruturas capazes de devolver a produção às zonas urbanas e possamos voltar a saber de onde vem a energia ou a comida que consumimos.

A Urban Algae Folly foi criada pelo estádio londrino ecoLogicStudio, liderado pelo arquitecto italiano e teve a sua primeira apresentação na exposição mundial de Milão, que aconteceu entre Maio e Outubro naquela cidade de Itália. A peça agora instalada em Braga usa o mesmo conceito e a mesma tecnologia, mas é uma estrutura totalmente nova, que custou 50 mil euros e foi comissariada pelo Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL, na sigla internacional), Câmara de Braga e Fundação Francisco Manuel dos Santos.