Eduardo dos Santos diz que "jovens querem tudo resolvido de um dia para o outro"

No discurso dos 40 anos da independência, Presidente de Angola reagiu a críticas de corrupção na cúpula do regime. “Aos angolanos não podem ser só reservados espaços ao nível das micro, pequenas e médias empresas e dos negócios financeiros. Têm também de ganhar terreno nos mercados globais.”

Foto
Num momento em que os olhares estão virados para Angola, Presidente disse que Constituição consagra “respeito pelos direitos humanos” ALAIN JOCARD/AFP

Por meias palavras, José Eduardo dos Santos tocou nos assuntos na ordem do dia em Angola e nos principais motivos de crítica ao seu Governo, mas não deu sinais de pretender corrigir a trajectória. Foi no discurso dos 40 anos de independência, em que aludiu à “ingerência” externa de que o Governo de Luanda se queixa e disse esperar que as relações com Portugal se desenvolvam “dando cada vez menos espaço ao saudosismo e ao espírito de vingança”.

Num momento em que os olhares internacionais estão virados para Angola, devido à detenção, desde de Junho, de 15 activistas acusados de prepararem uma rebelião e atentarem contra a sua vida, o Presidente dedicou aos jovens uma passagem do discurso que pode ser entendida como uma alusão aos que contestam o regime.

“Sabemos que os jovens querem tudo resolvido de um dia para o outro. Assim foi em todas as gerações anteriores”, disse, na mensagem dos 40 anos de independência transmitida pela rádio e televisão públicas à meia-noite, a hora a que, a 11 de Novembro de 1975, Agostinho Neto proclamou Angola como estado soberano. “Temos que continuar a transformar a energia e o dinamismo da juventude em alavanca para continuarmos a construção de uma nação mais próspera, feliz e justa.”

O principal momento das comemorações a que, segundo o Jornal de Angola, assistiram perto de sete mil convidados, entre eles o ex-Presidente português, Ramalho Eanes, foi, na manhã desta quarta-feira, um desfile na Praça da República, em Luanda. A cerimónia incluiu dois momentos – o desfile “cívico-político”, com representantes de “diversas áreas da vida do país; e o “militar”, com a polícia e as forças armadas. Antes disso, Eduardo dos Santos depôs uma coroa de flores no túmulo de Neto, o Presidente fundador.

Politicamente, a mensagem da noite foi, no entanto, o momento mais relevante. Nela, o Presidente fez uma breve e vaga menção à alegada ingerência externa no caso dos activistas, bem mais genérica do que têm feito membros do executivo e do partido governamental, MPLA. “O egoísmo e o desrespeito das normas do direito internacional e particularmente a ingerência nos assuntos internos de outros Estados por países mais fortes são factores que geram instabilidade, tensão e conflitos armados com consequências políticas e sociais graves, pondo em risco a segurança internacional”, declarou.

Na semana passada, na que terá sido a acusação mais directa de ingerência, o seu ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, acusou os 15 detidos, entre eles o rapper Luaty Beirão, que cumpriu 36 dias de greve de fome, de terem recebido “indicações claras” do exterior para provocarem confrontos que causassem entre 20 e 25 mortos e justificassem uma intervenção externa. Estrangeiros com estatuto diplomático “instigavam esses jovens e, coincidentemente, sempre na mesma perspectiva: provocar confrontos com a polícia e causar mortos para permitir a intervenção do Ocidente”, disse.

Quando se aproxima o julgamento dos activistas, num contexto em que se sucedem denúncias de violação de direitos humanos no país, José Eduardo dos Santos declarou que a Constituição angolana “consagra a independência dos tribunais” e “o respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais, pelo direito de participar em actividades políticas e associativas”. O início do julgamento está marcado para segunda-feira, 16 de Novembro. Além dos 15 detidos há duas acusadas em liberdade.

Não ao "saudosismo"

O Presidente referiu-se também às frequentes críticas de corrupção a membros do seu círculo mais próximo, dizendo que elas vêm de quem pretende “confundir” a “promoção e defesa do interesse nacional” – que se faz com “a presença no mundo do capital e do trabalho de empresas e grupos económicos conscientes e fortes” – com a “promoção da corrupção”.

“Aos angolanos não podem ser só reservados espaços ao nível das micro, pequenas e médias empresas e dos negócios financeiros. Têm também de ganhar terreno nos mercados globais”, disse também.

Num discurso muito centrado na história de Angola, em que deu ênfase às dificuldades da luta anti-colonial, à transição para a independência, à guerra pós-1975 e à luta contra o apartheid, José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979, disse que com a paz de 2002 – “que chegou para ficar – “foi abandonado o princípio segundo o qual a guerra é a continuação da política por outros meios”.

O dirigente angolano invocou ainda progressos conseguidos desde a independência, caso da luta contra o analfabetismo, que disse ter baixado de mais de 95% para cerca de 35% de uma população calculada em 26 milhões de pessoas – dois terços da qual com menos de 25 anos. “Só havia uma universidade e o país não tinha mais de 40 licenciados. Hoje funcionam 62 instituições de ensino superior.”

Além de agradecimentos a vários países africanos, pelo apoio na luta anti-colonial, e a Cuba e União Soviética, pela ajuda no pós-1975, Eduardo dos Santos fez uma referência especial ao Brasil – “o primeiro” país a reconhecer a independência de Angola. As relações com Portugal foram também abordadas pelo Presidente, que defendeu um aprofundamento que dê “cada vez menos espaço ao saudosismo e [a]o espírito de vingança e de reconquista de pessoas de má fé”.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal, Luís Campos Ferreira, que representou o Estado português nas comemorações, disse, citado pela Lusa, que essas relações são “muito densas, muito intensas e muito úteis para ambos os lados”.