Mário Centeno admite consolidação orçamental a ritmo mais lento

No dia em que caiu o Governo de Passos Coelho, o coordenador do programa económico do PS falou ao Financial Times.

Foto
“Ninguém com bom senso pensará em não pagar as dívidas que contraiu”, diz Centeno Enric Vives Rubio

Mário Centeno, deputado e coordenador do programa económico do PS, garante que um Governo dos socialistas vai assegurar a “consolidação orçamental”, mas admite que ela possa acontecer mais devagar. No dia em que caiu o Governo de Passos Coelho, Centeno falou em nome do PS ao Financial Times, que o descreve já como o provável próximo ministro das Finanças.

Não está em causa a trajectória, mas “a velocidade” do ajustamento das contas públicas, diz Centeno ao jornal económico britânico. “Vamos continuar a reduzir o défice e a dívida, mas a um ritmo mais lento. Isso criará o espaço económico necessário para aliviar as restrições financeiras significativas que as famílias e as empresas enfrentam”.

Na proposta de programa de Governo negociado com o Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes, onde se prevêem medidas para aumentar o rendimento dos portugueses, as previsões de redução do défice foram actualizadas em relação ao programa eleitoral do PS. Agora, prevê-se uma descida maior, com o défice a baixar para 2,8% em 2016, para 2,6% no ano seguinte, para 1,9% em 2018 e 1,5% em 2019.

Falando a uma audiência internacional, Centeno reafirma o compromisso de manter Portugal na zona euro e afasta desde já um perdão da dívida pública portuguesa. Mas se a palavra “reestruturação” não é dita, é sublinhado pelo economista que a redução da dívida deve ser feita de forma compatível com o nível de crescimento da economia. Uma ideia que Mário Centeno sublinha quando um dos pontos do acordo assinado com o Bloco de Esquerda prevê a criação de um “grupo de trabalho para a avaliação da sustentabilidade da dívida externa”.

“Ninguém com bom senso pensará em não pagar as dívidas que contraiu”, afirma o economista, deixando uma ressalva: “Teremos de encontrar uma forma que eu penso ser a mais importante para os mercados financeiros e para a economia – baixar a dívida a um ritmo que seja compatível com o crescimento”.

Na mesma conversa com o FT, o ex-consultor da administração do Banco de Portugal acusa ainda o anterior Governo de coligação do PSD e do CDS-PP de não ter resolvido a “fragilidade do sistema financeiro” do país.

Sugerir correcção