Luís Cassiano Neves é o novo presidente da FPR

O advogado, de 37 anos, venceu as eleições que decorreram nesta terça-feira.

Foto
Rui Gaudêncio

Luís Cassiano Neves, advogado especialista em Direito do Desporto, é o novo presidente da Federação Portuguesa de Rugby (FPR). Na Assembleia Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da FPR para o quadriénio 2015-19, que decorreu no Auditório do Centro de Medicina Desportiva, em Lisboa, a Lista C, encabeçada por Cassiano Neves, recolheu, na votação para presidente, 41 dos votos, num universo de 83 delegados que se apresentaram ao sufrágio.

Com um currículo de sucesso como jogador (foi internacional pela selecção nacional de sevens), treinador (sagrou-se campeão nacional pelo CDUL) e experiência como dirigente (assumiu as funções de director geral da SAD do Belenenses), Cassiano Neves será o novo homem forte do râguebi nacional, liderando uma direcção em que terá como vice-presidentes António Vieira de Almeida, Francisco Branco, João Neto e Miguel Raposo de Magalhães.

Com três candidatos a apresentarem-se a votos, a luta foi a dois. Cassiano Neves foi eleito como presidente com 41 dos 83 votos dos delegados que exerceram o seu direito, superando Carlos Amado da Silva, que se recandidatava ao cargo, por três votos. Francisco Martins, que encabeçava a Lista A, mereceu a confiança de apenas quatro delegados.
Nas eleições para os restantes órgãos federativos, a Lista C foi a mais votada para o Conselho Fiscal, Conselho de Disciplina, Conselho de Justiça e Conselho Geral, tendo a lista de Amado da Silva vencido a eleição para o Conselho de Arbitragem, que será liderado por Mendes da Silva.

Numa primeira reacção à vitória, Cassiano Neves afirmou que este é o “começo de um novo ciclo”, sublinhando que agora é o “momento de começar a fomentar a unidade”. “É essencial que todos os agentes do râguebi português estejam presentes na sua governação”, apelou, em declarações ao PÚBLICO.

Embora tenha merecido a preferência da maioria dos delegados, a indigitação de Cassiano Neves fica dependente da apreciação de um recurso apresentado por Francisco Martins, relativo a uma alegada irregularidade na composição da lista do Conselho Fiscal do vencedor do acto eleitoral.

PÚBLICO -
Foto