"Sleigh Bells": este é o filme perdido do “avô” do Mickey

Animação será exibida em Londres pela primeira vez depois da sua estreia, em 1928. Esteve quase 90 anos “perdida” nos arquivos do British Film Institute

Um filme de animação dos estúdios Disney, de 1928, que tinha sido dado como perdido, foi redescoberto no Reino Unido e será exibido em Londres, numa versão integralmente restaurada, em Dezembro. Com apenas seis minutos de duração, "Sleigh Bells" tem a particularidade de ter como protagonista Oswald the Lucky Rabbit, personagem a quem o famoso Rato Mickey muito deve.

O filme foi encontrado nos arquivos da cinemateca britânica, foi restaurado em parceria com os estúdios de animação Walt Disney e será exibido, passados 87 anos, a 12 de Dezembro, em Londres. Com as suas orelhas compridas e um espírito rebelde, Oswald the Lucky Rabbit foi o primeiro personagem criado pela Disney mas, ao contrário do bem-comportado Rato Mickey, nunca chegou a ser uma estrela. E porquê? Aparentemente, e segundo o British Film Institute, a indústria atravessou-se-lhe no caminho.

Concebido por Walt Disney e Ub Iwerks, o coelho que agora ficamos a conhecer neste filme mudo era, na realidade, propriedade da Universal. Depois de uma desavença contratual com estes estúdios que detinham os direitos de Oswald the Lucky Rabbit, explica a televisão americana CNN no seu site, a dupla abandonou-o, virando-se para aquela que viria a ser a sua personagem mais popular — o Rato Mickey.

Se esta ruptura não se tivesse dado, diz Justin Johnson, responsável pela programação de animação do instituto, “é bem possível que agora houvesse mais de 100 filmes de Oswald e que o Rato Mickey nunca tivesse sido criado.” Johnson, que define "Sleigh Bells" como o “santo graal dos filmes da Disney”, diz que, antes deste irrequieto coelho nascer, os filmes de animação tinham personagens “muito genéricas, sem grande personalidade”.

Segundo a televisão britânica BBC, há outros filmes do irreverente Oswald, mas o que será visto em Londres em Dezembro, integralmente restaurado, permaneceu escondido desde a sua estreia. Foi redescoberto por um dos técnicos do instituto, que andava a navegar pelo seu catálogo online. “O restauro deste filme vai permitir apresentar a muitos públicos o trabalho de [Walt] Disney no seu período mudo”, disse à BBC o curador-chefe da cinemateca britânica, Robin Baker. “Ele demonstra com clareza a vitalidade e a imaginação da sua animação num momento chave da sua ainda muito recente carreira.”