Mr. Robot: pode um hacker salvar o mundo?

Série que surpreendeu nos Estados Unidos e entrou em todas as listas dos títulos que devemos ver estreia-se nesta sexta-feira na televisão portuguesa.

Fotogaleria
Rami Malek e Christian Slater são os protagonistas da série © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Malek é Elliot, um engenheiro de segurança informática solitário © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Elliot é desafiado por Mr. Robot a integrar o grupo secreto fsociety © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Elliot tem uma vida dupla, é de dia o que não é de noite © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Christian Slater tem uma personagem muito misteriosa © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Rami Malek tem recebido bastantes elogios pela sua prestação na série © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Elliot e Mr. Robot planeiam um grande ataque informático © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
© 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Elliot terá um percurso bastante confuso ao longo dos episódios © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Elliot num encontro com a fsociety © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
Tyrell Wellick (o sueco Martin Wallström) poderá ser o vilão da série © 2015 NBCUniversal All Rights Reserved
Fotogaleria
© 2015 NBCUniversal All Rights Reserved

“O que estou prestes a dizer é top secret. Uma conspiração maior do que todos nós. Há um grupo poderoso de pessoas que secretamente dominam o mundo. Estou a falar de tipos que ninguém conhece, aqueles que são invisíveis. O top dos 1% do top dos 1%, os tipos que brincam a deus sem permissão.” Onde é que já ouvimos isto? Lembra-se, por exemplo, do movimento Occupy Wall Street? Anonymous? Sabe o quão vulnerável o seu telefone ou o seu computador é? E a password com que acede ao email todos os dias, é assim tão difícil de ser descoberta?

Está dado o mote para Mr. Robot, a série sensação do ano nos EUA e que nesta sexta-feira se estreia em Portugal no TVSéries (23h), com Rami Malek e Christian Slater como protagonistas.

As palavras são de Elliot Alderson (Rami Malek), um engenheiro de segurança informática que vive uma vida dupla, tão sufocante como alucinante. Durante o dia, trabalha numa grande empresa de segurança cibernética em Nova Iorque; à noite, faz o oposto. Não protege quaisquer redes, mas corrompe-as, fazendo parecer fácil o que não é. Elliot é um hacker, consegue entrar em tudo: computadores, smartphones, emails, redes sociais, contas bancárias. É isto que faz e é nisto que é bom. Esta é, aliás, a única forma de saber mais sobre as pessoas que o rodeiam. Ele, que sofre de distúrbio de ansiedade social, não é muito bom nas relações interpessoais e o computador é a forma de conhecer todos os que de si se aproximam. Não é correcto, mas é a única forma. Ele sabe que não é correcto mas é a única forma que conhece.

Elliot pode muito bem ser o herói do século XXI. Tem uma causa maior, a mudança de um sistema financeiro e político viciado, ao mesmo tempo que vai fazendo justiça com pequenos casos aqui e ali — descobre, por exemplo, que o dono de uma loja onde se ligou à Internet através de wi-fi é pedófilo, fazendo chegar à polícia as provas que o incriminam. Mas, outras vezes, vasculhar a vida dos outros é a sua forma de se encaixar no mundo, e isso faz de Elliot o nosso anti-herói. Também porque nem sempre sabemos quais as suas reais intenções. Desde logo, com o seu ódio à multinacional E Corp (Evil Corp, para Elliot), que o rapaz culpa pela leucemia que matou o seu pai.

E é quando Elliot é contactado por um homem misterioso que se auto-intitula de Mr. Robot (Christian Slater) que tudo fica mais confuso. Mr. Robot quer Elliot no seu grupo secreto, o fsociety, para que juntos possam abalar o sistema, chegar aos 1% dos 1%. Como? Começando desde logo por atacar a Evil Corp e fazer desaparecer as dívidas de toda a gente.

Nova temporada em 2016

Mr. Robot é isto. Uma montanha-russa. Uma série que prende tanto como confunde o espectador. Criada por Sam Esmail, a produção não passou despercebida. O episódio piloto passou em Março no Festival South by Southwest (SXSW), em Austin, no Texas, e arrecadou o Prémio do Público. Ainda antes de estrear na televisão norte-americana, no canal USA, em Junho, o mesmo episódio foi disponibilizado em vários sites para que se começasse a criar buzz à volta da série. Uma aposta ganha.

“Sabíamos, desde que lemos o provocador argumento de Sam Esmail, e testemunhámos as brilhantes performances de Rami Malek e Christian Slater, que Mr. Robot seria uma série de excelência diferente de tudo o que passa actualmente na televisão”, disse na altura da estreia, citado pela Variety, o presidente do canal USA, Chris McCumber, que não teve qualquer dúvida em renovar a série. Mr. Robot tinha acabado de se estrear na televisão e o canal anunciava uma segunda temporada para Junho ou Julho de 2016.

E não se ficará por aí. Sam Esmail pensou em Mr. Robot como um filme, mas depressa percebeu que tinha páginas a mais para o tempo de uma longa-metragem. “A primeira temporada é, por isso, o primeiro acto desta minha longa”, disse à Entertainment Weekly, não especificando quantas temporadas estão pensadas. Esmail, norte-americano de origem egípcia, à semelhança do actor Rami Malek, viu na revolução no Médio Oriente a inspiração para a série. “Eu estava lá [no Egipto] quando aconteceu a Primavera Árabe. Uma das coisas que define a personagem de Elliot é o espirito revolucionário que vi nos meus primos. São estes jovens que usam a tecnologia em seu favor para canalizar a raiva contra o status-quo, que procuram melhorar as suas vidas”, contou o criador à Slate.

Esmail diz-se atraído pelo mundo dos ataques informáticos e dos seus mentores, mas admite alguma desilusão pela sua fraca representação no cinema e na televisão. Com medo que o tema não fosse compreensível ao grande público, fizeram-se opções “ridículas”, principalmente nos anos 1990, defende. Para que isso não acontecesse aqui, foram contratados especialistas informáticos que acompanharam a produção. A aproximação à realidade é uma das muitas críticas positivas que Mr. Robot tem recebido. No agregador de críticas Rotten Tomatoes, a produção de Esmail bateu todos os recordes, deixando para trás séries populares como a A Guerra dos Tronos e House of Cards.

“Descobri que Edward Snowden é um grande fã da série”, contou ao The Guardian Rami Malek, citando uma entrevista recente daquele. “Quando percebes o quanto ele sabe sobre as tácticas de vigilância do Governo, sentes que estamos a fazer um trabalho muito rigoroso”, acrescentou o actor, lembrando as muitas coincidências com a realidade. Mr. Robot acabava de estrear e o ataque informático à Sony estava nas notícias. Também o último episódio teve até de ser adiado por ter uma cena semelhante ao ataque aos dois jornalistas mortos em directo em Virgínia.

A linha entre realidade e ficção é ténue. Na vida real como em Mr. Robot, onde nunca nada é bem o que parece.