Opinião

Um cheirinho de génio

Toda a gente que gosta de perfumes conhece Luca Turin, o primeiro e, de longe, o mais elegante, inteligente e culto crítico de perfumes. Se só quer ler um livro sobre perfumes compre o Perfumes: The A-Z Guide, escrito por ele e Tania Sanchez e verá que comprará não só os outros livros dele como começará a coleccionar perfumes só pelo prazer de poder cheirá-los.

Ainda bem que Turin, que tem muitas outras profissões (a começar por químico, tal como Primo Levi), se fartou de escrever sobre perfumes. Continua a escrever umas críticas no Style.com das Arábias mas em 2010 começou a escrever crónicas sobre as coisas grandes e pequenas da vida, usando o esquema Kierkegaardiano (desculpem, era irresistível) do Either/Or.

Água lisa ou gaseificada; montanha ou praia; ser trilingue ou bilingue; logos ou pneuma; Júlio César ou Marco Aurélio? Cada crónica é curta, luminosa, divertida,  inesperada e original. Como cientista, bon vivant e esteta é extraordinário que Turin tenha também o condão de nos ensinar coisas científicas com imensa graça. Isto é, tanta graça têm Turin como as coisas científicas.

As crónicas foram escritas para a revista NZZ Folio do jornal que Thomas Bernhard gostava de comprar e ler em Lisboa: o Neue Zurcher Zeitung. Foram escritas em inglês e traduzidas para alemão. O livro, chamado Folio Columns 2003-2014 que só existia em versão Kindle (8 euros), restitui os originais e já se pode comprar em papel, como merece.