OCDE preocupada com número de crianças obesas em Portugal

Relatório Health at a Glance 2015 compara indicadores de saúde em vários países. Portugal é apontado como o país em que a despesa nas farmácias mais caiu entre 2009 e 2013.

Cada criança obesa custa ao Estado 680 euros por ano, diz o PS
Foto
A situação do excesso de peso é mais preocupante nas raparigas Virgílio Rodrigues (arquivo)

Olhando apenas para os dados da obesidade e pré-obesidade em adultos, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) diz que Portugal está melhor que a maior parte dos países analisados no relatório Health at a Glance 2015, publicado nesta quarta-feira. No entanto, segundo um alerta deixado no documento, este cenário pode inverter-se a curto prazo, perante as elevadas taxas de excesso de peso e de obesidade nas crianças.

“Alguns países, como Itália e Portugal, têm actualmente uma taxa relativamente baixa de obesidade entre os adultos, mas uma taxa elevada de excesso de peso e de obesidade entre as crianças, que é provável que se traduza, no futuro, numa taxa mais elevada entre os adultos”, lê-se no relatório enviado ao PÚBLICO e relativo a dados de 2013. De acordo com os dados, os Estados Unidos têm a maior prevalência de obesidade entre adultos (35,3%), seguidos pelo México (32,4%) e pela Nova Zelândia (30,6%). Do lado oposto surge o Japão (3,7%), Coreia (4,7%) e Índia (5%). A media deste problema nos 34 países da OCDE é de 19% e Portugal surge com 15,4%.

No entanto, a fotografia é diferente quando em vez dos adultos se olha para as crianças. Neste caso, os piores dados são encontrados na Grécia, Reino Unido e Estados Unidos. Os melhores da tabela são a Indonésia, Polónia e Islândia. Portugal surge um pouco acima da média da OCDE, de 24% para os rapazes e 22% para as raparigas. O país aparece em nono lugar, com mais de 25% para os rapazes e cerca de 30% para as raparigas. “As crianças que têm excesso de peso ou obesidade têm mais risco de problemas de saúde tanto na adolescência como na vida adulta”, diz o estudo, que dá como exemplos de problemas as doenças do foro ortopédico mas também psicológico, como a depressão. Além disso, a probabilidade de vir a ter problemas cardíacos, diabetes ou algumas formas de cancro também aumenta. Nas contas da organização, em 2013 uma em cada três raparigas portuguesas tinham excesso de peso ou obesidade. Só na Grécia foram encontrados valores superiores.

O Health at a Glance 2015 traça também um perfil geral do que aconteceu na saúde em Portugal até 2013. O país é destacado em vários momentos do documento, sobretudo no que diz respeito à área do medicamento – alvo de várias medidas durante os últimos anos – e da despesa em saúde. O documento sublinha, por exemplo, que as famílias portuguesas estão entre as que mais gastam directamente em cuidados de saúde do total do seu orçamento, em valores apenas equiparados em países como a Coreia, Suíça, Grécia, México e Hungria. Mais de um terço do valor é suportado directamente pelas famílias.

Por outro lado, é frisado que a despesa pública com medicamentos nas farmácias caiu mais de 11% ao ano entre 2009 e 2013 – um recorde entre os países analisados pela OCDE – e num período que coincidiu parcialmente com o memorando de entendimento com a troika e que inscrevia a factura com fármacos como uma das metas a baixar. Depois de Portugal, só Luxemburgo, Grécia, Islândia e Dinamarca conseguiram cortar tanto. Nos mesmos cinco anos, a descida desta despesa no conjunto de todos os países foi de 3,2% ao ano. De acordo com a OCDE, em Portugal os gastos com medicamentos em 2013 foram em média de 358 euros por cada português, abaixo da média de 471 euros per capita do conjunto de países analisados.

A despesa com medicamentos, sobretudo a nível hospitalar, é uma das preocupações deste organismo, que alerta que “o aparecimento de novos medicamentos de especialidade e de custo elevado, destinados a populações pequenas e/ou doenças complexas espoletou um debate novo sobre a sustentabilidade e a eficiência de longo prazo da despesa com medicamentos”. Do lado positivo o relatório enumera as várias medidas que o país tomou, como a aposta nos medicamentos genéricos e o controlo do preço dos mesmos.

No caso concreto de Portugal destaca-se o grande peso na despesa com medicamentos de consumo hospitalar e, também, a factura directa paga pelas famílias nas farmácias. Esta despesa contrasta com outros dados, como o facto de os portugueses estarem entre os que têm mais dificuldade de acesso a tratamentos dentários, apesar do que já gastam. Problema semelhante foi reportado pelos gregos, italianos e islandeses. Ao mesmo tempo, menos de metade dos portugueses, japoneses e coreanos entendem que o seu estado de saúde é bom. A proporção das pessoas que faz uma avaliação boa da sua saúde também é baixa na Estónia, Hungria, Polónia, Chile e República Checa.

O relatório analisa ainda outras áreas, como os cuidados de saúde prestados. Portugal é elogiado no que diz respeito a evitar internamentos associados a doenças crónicas como a asma, mas ainda tem indicadores negativos na área das doenças cerebrovasculares (acidente vascular cerebral). No caso do cancro, a mortalidade está dentro da média internacional, mas há um dado que contrasta: as taxas de mortalidade dos homens são praticamente o dobro da encontrada nas mulheres, uma diferença que a OCDE atribui, em parte, ao peso dos fumadores homens em Portugal. Quanto aos profissionais de saúde, Portugal continua a ter um dos rácios mais elevados de médicos por 1000 habitantes. Já em termos de enfermeiros a realidade é a oposta, com a OCDE a escrever que, apesar disso, o país tinha mais de 6500 profissionais de enfermagem a trabalhar no Reino Unido.

É também salientado o bom resultado do país na taxa de mortalidade infantil, mas é feito um alerta preocupante: depois do Japão e a par com a Grécia e Hungria, Portugal tem cada vez mais bebés a nascerem com baixo peso, representando já quase 10% do total. Já Islândia, Finlândia, Suécia, Noruega e Estónia apresentam os melhores resultados em termos de peso dos recém-nascidos.