A Uniplaces lista alojamentos em várias cidades europeias e quer continuar a expansão Daniel Rocha
Foto
A Uniplaces lista alojamentos em várias cidades europeias e quer continuar a expansão Daniel Rocha

Uniplaces quer ser mais do que uma plataforma de alojamento

Start-up portuguesa conseguiu mais 22 milhões de euros de financiamento e quer expandir serviços. Produtos bancários ou seguros podem ser o caminho

A start-up portuguesa Uniplaces quer tornar-se numa referência global e oferecer serviços a estudantes universitários para além da plataforma electrónica de alojamento que opera actualmente, afirmou um dos co-fundadores. A ambição é passar a oferecer outros serviços como produtos bancários ou seguros, disse à agência Lusa Miguel Santo Amaro em Dublin, onde anunciou ter angariado mais 22 mihões de euros de financiamento que deverão impulsionar esta nova fase de expansão.

"Queremos evoluir e tornarmo-nos numa marca de serviços a estudantes de referência em qualquer país e não só no alojamento, proporcionando uma melhor experiência aos universitários", disse. Actualmente, a Uniplaces está presente em nove países e 39 cidades europeias, tendo no horizonte de curto e médio-prazo também entrar no mercado norte-americano e australiano.

Segundo a empresa, esta é a maior operação de financiamento de Séries A de uma start-up portuguesa, superando valores alcançados em acções semelhantes, por exemplo, pela Farfetch, que recentemente foi avaliada em mais de mil milhões de euros. A ronda de investimento foi liderada pelo fundo de investimento Atomico, criado por Niklas Zennstrom, co-fundador e CEO da plataforma de comunicações Skype, actualmente propriedade da Microsoft, e que desde 2006 se tem dedicado a apoiar dezenas de start-ups.

Envolvidos estão também outros elementos influentes do sector tecnológico, ligados a projectos como a Trivago, King.com, Klarna, Supercell, The Climate Corporation e Albion. Entre os parceiros portugueses, destacam-se Henrique de Castro, ex-COO da Yahoo, e António Murta, do fundo Pathena, a Shilling Capital Partners e o fundo internacional Octopus Ventures Stephan Morais, administrador da Caixa Capital, outro dos principais financiadores desta ronda, coloca a Uniplaces no "grupo selecto de empresas portuguesas que estão a conquistar mercados globais" e está confiante de que a Uniplaces se vai tornar "líder mundial ao serviço dos estudantes".

Segundo Miguel Santo Amaro, actualmente o universo de estudantes universitarios é de 160 milhões, mas estima-se que na próxima década aumente para cerca de 250 milhões, sendo que entre um terço a metade das despesas são feitas com alojamento. Para além do dinheiro angariado, que acumulado de outras rondas já soma perto de 28 milhões de euros, Miguel Santo Amaro está confiante de que o envolvimento de empreendedores internacionais vai ajudar a desenvolver a Uniplaces. O anúncio foi feito nas instalações da Google em Dublin, onde decorre até quinta-feira a Web Summit, um dos principais eventos mundiais para empresas tecnológicas, que a partir de 2016 passará a realizar-se em Lisboa.