Pescanova prepara-se para voltar à bolsa em 2016

As acções da companhia galega foram suspensas em 2013, depois de serem encontradas discrepâncias “significativas” entre a contabilidade e a dívida bancária.

A Pescanova tem um viveiro de pregados em Mira
Foto
Empresa galega abriu unidade de produção de pregado na Praia de Mira em 2009. Adriano Miranda

Mais de dois anos depois de a negociação das acções da Pescanova ter sido suspensa, a empresa galega iniciou os procedimentos que visam o regresso à bolsa no próximo ano.

No documento enviado nesta terça-feira ao regulador espanhol, a Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV), onde dá conta do fim do processo de aumento de capital, a empresa adianta que solicitou a 5 de Outubro o “levantamento da suspensão de cotação das acções”.

Em Março de 2013, a negociação das acções da Pescanova foi suspensa quando foram encontradas discrepâncias “significativas” entre a sua contabilidade e a dívida bancária.

A banca assumiu-se então como credora da empresa de pesca e aquicultura e, numa operação aprovada na assembleia geral de accionistas em Setembro deste ano, passou a deter a maioria do capital da Nova Pescanova (80%). Os restantes 20% são detidos por accionistas de referência e pequenos accionistas.

Desta empresa fazem parte as nove subsidiárias espanholas, bem como todos os activos, que ascendem a 100 milhões de euros.

A sociedade informa também que “iniciou os trabalhos para complementar a informação requerida” pela autoridade reguladora espanhola, que inclui as contas anuais da Pescanova e da Nova Pescanova relativas a 2015, bem como os respectivos relatórios de auditoria.

De acordo com a agência Europa Press, o cenário mais provável é que as formalidades para o regresso à cotação em bolsa estejam concluídas a tempo de as acções da Pescanova voltarem a ser negociadas em 2016.

Segundo o jornal espanhol Expansión, quando os títulos da empresa galega foram suspensos a 12 de Março de 2013, cada um valia 5,91 euros, registando uma queda de 19,26%.

A nota à CNMV dá conta ainda de que o processo de aumento de capital da Nova Pescanova, aprovado pela Pescanova como sócio único no valor de 9,75 milhões de euros, fica terminado a 5 de Novembro.

Em Portugal, a Pescanova detinha a Acuinova, uma fábrica de produção de pregado na Praia de Mira, distrito de Coimbra, que desde a inauguração, em 2009, teve vários problemas operacionais.

Com crise da empresa, a fábrica que, de acordo com o plano de recuperação da Pescanova apresentado em Abril de 2013 à justiça espanhola, tinha uma dívida líquida de 140 milhões de euros, passou para as mãos da banca credora. Entre essas entidades estão Caixa Geral de Depósitos, BPI, BCP e Novo Banco.