Torne-se perito

Ninguém acredita que queda de avião no Monte Sinai foi um atentado

Estado Islâmico diz que abateu Airbus A-321 da companhia russa Metrojet, com 224 pessoas a bordo. Avião ficou dividido em duas partes. Ninguém sobreviveu à queda do aparelho.

Fotogaleria
O Airbus A-321 da companhia russa Kogalymavia, também conhecida como Metrojet, numa imagem de Setembro de 2015. REUTERS/Kim Philipp Piskol
Fotogaleria
Familiares das vítimas no aeroporto internacional de Pulkovo, em São Petersburgo, onde o voo 7K9268 era esperado. AFP PHOTO / OLGA MALTSEVA
Fotogaleria
REUTERS/Peter Kovalev
Fotogaleria
AFP PHOTO / OLGA MALTSEVA
Fotogaleria
AFP PHOTO / OLGA MALTSEVA
Fotogaleria
AFP PHOTO / OLGA MALTSEVA

Todas os 217 passageiros (17 crianças, 138 mulheres, 62 homens) e ainda os sete tripulantes que seguiam a bordo do voo 7K9268, morreram na queda de um avião da companhia russa Metrojet na região montanhosa da península do Sinai, aparentemente na sequência de uma falha técnica da aeronave. O Airbus A321 que partiu do aeroporto da estância turística de Sharm-el-Sheikh, no Egipto, com destino a São Petersburgo, na Rússia, despenhou-se cerca de 20 minutos depois da descolagem, quando já seguia a mais de 31 mil pés de altitude: sem dados que apontem para erro humano, a informação da caixa negra, localizada entre os destroços, será fundamental para estabelecer as causas da tragédia.

O alerta soou quando o piloto, Valeri Nemov, com mais de 12 mil horas de experiência de voo, falhou o contacto com as autoridades aéreas do Chipre. O avião, que estava a subir normalmente e já tinha transposto os 30 mil pés (cerca de 9500 metros) de altitude, começou subitamente a perder velocidade. “Caiu de 400 nós para 62 nós e começou a descer muito depressa. Em 20 segundos perdemos completamente o sinal”, confirmou à BBC o fundador do serviço de monitorização de voos online Flight Radar 24, Mikail Robertson, numa reconstituição da trajectória do voo.

O que terá causado e levado o avião a despenhar-se no inóspito e inacessível deserto do Sinai é, por enquanto, um mistério. Fontes oficiais egípcias citadas pelas agências internacionais garantem que o piloto reportou “dificuldades técnicas” e aventou a necessidade de uma aterragem de emergência antes de perder o contacto via rádio. Na opinião de Mikail Robertson, a perda súbita e simultânea de velocidade e altitude registada pelos radares é mais consonante com uma falha inesperada do que com uma manobra deliberada no cockpit: “O que quer que tenha acontecido, aconteceu muito muito depressa”, notou.

Mas talvez não tenha sido tão depressa assim: a informação conhecida sugere que os derradeiros minutos das 224 pessoas a bordo terão sido verdadeiramente aterradores. À chegada ao local onde o avião se despenhou, 70 quilómetros a Sul da cidade de el-Arish, as autoridades egípcias encontraram a cabine partida em duas metades, e nenhuns sinais de explosão ou de incêndio, ou quaisquer vestígios que sustentem a tese de que a aeronave foi abatida durante o voo por um rocket ou míssil. Al-Hassana, a área do Sinai onde os destroços foram localizados, é território disputado entre o Exército egípcio e grupos extremistas, e a hipótese de um ataque terrorista foi levantada antes mesmo de o grupo jihadista Wilayat Sinai, um braço do auto-proclamado Estado Islâmico, ter reivindicado a autoria do atentado.

“Os combatentes do Estado Islâmico conseguiram abater um avião russo sobre a província de Sinai que transportava mais de 220 cruzados russos. Foram todos mortos, graças a Deus”, afirmava um comunicado divulgado através do Twitter e do site de notícias Aamaq, que é considerado a agência informal da organização terrorista.

A declaração foi imediatamente desacreditada e refutada como um embuste e uma invenção, uma vez que a versão de um ataque a partir do solo supostamente colidia com as evidências recolhidas no terreno. O porta-voz do Exército egípcio, Mohamed Samir, disse que as imagens apresentadas pelos jihadistas foram descartadas por falta de autenticidade e credibilidade – mesmo sem ver as imagens do local, vários especialistas independentes garantiam que nenhum dos sistemas balísticos terra-ar conhecidos teriam o alcance suficiente para abater uma aeronave à altitude a que seguia o voo da Metrojet.

O analista do Center for American Progress, Mokhtar Awad, vê na declaração “oportunista” do Wilayat Sinai mais uma prova da fragilidade em que o grupo se encontra, após meses de confrontos com o Exército egípcio. “Embora não exista nenhum precedente para uma mentira tão espectacular, o Estado Islâmico tem manifestamente andado a exagerar as suas reivindicações”, observou, a The Guardian.

Ainda assim, os técnicos em aeronáutica e segurança estranhavam a pressa com que as autoridades egípcias descartaram outras hipóteses para explicar a queda do avião, além da possibilidade de falha mecânica.

A Rosaviatsia, agência reguladora da aviação da Rússia, revelou-se muito cautelosa, pedindo um compasso de espera pelos dados guardados na caixa negra da aeronave, já recuperada. “Até termos informação concreta e credível relativamente às circunstâncias que provocaram a queda, não faz sentido andar a especular e a discutir sobre diferentes versões: falha técnica, erro humano ou acções externas”, segundo um porta-voz citado pela agência RIA Novosti.

Por precaução, as companhias europeias Lufthansa, KLM e Air France decidiram desviar as suas rotas que sobrevoavam a península do Sinai. “Decidimos evitar aquela zona uma vez que a situação e as razões que estarão por trás da queda do avião não estão suficientemente claras”, explicou uma porta-voz da companhia alemã. Pelo seu lado, a British Airways não via razão para alterar as rotas dos seus voos.

A Associação dos Operadores Turísticos da Rússia publicou a lista de nomes de todos os passageiros a bordo – dando à tragédia uma nova dimensão, quando começaram a circular as mensagens trocadas pelos veraneantes ou as suas imagens publicadas no Facebook durante as férias no Mar Vermelho.

Num hotel próximo do aeroporto Pulkovo de São Petersburgo foi montado um centro de emergência para atender os familiares e amigos das vítimas, muitos deles em choque. Foi lá que Iulia Zaitseva encontrou os pais da sua amiga Elena Rodina, que embarcara em lua-de-mel para a estância do Mar Vermelho – ela e o marido, Alexqander Krotov, ambos com 33 anos, regressavam a casa no voo fatídico.

Ao início da noite, os corpos das vítimas (221 russos e três ucranianos) começaram a chegar a uma morgue no Cairo, de onde serão repatriados para a Rússia. Segundo o primeiro-ministro egípcio, Sherif Ismail, ainda só foram recuperados 129 corpos.

A investigação do desastre será partilhada pelas agências dos dois países. O Procurador-geral do Cairo autorizou o Governo russo a participar nas diligências em território egípcio, e uma equipa de investigadores de Moscovo chegou ao Sinai ao início da noite. Além das perícias técnicas no local onde o avião caiu, a cargo dos especialistas do ministério da Aviação Civil, o Egipto mobilizou agentes da polícia e do Ministério Público que já estavam a interrogar pessoal ligado ao controlo de tráfego aéreo e às operações em terra. Ao mesmo tempo, na Rússia, foram realizadas buscas nos escritórios da Metrojet, em Moscovo, e também na agência de viagem Brisco, de São Petersburgo, que contratou o voo charter.

De acordo com o Comité de Investigação russo, vários indivíduos foram chamados a prestar depoimento, mas não foram efectuadas detenções. O comité abriu um inquérito para apurar se a companhia violou alguma regra operacional ou de segurança.

A Metrojet informou que o Airbus A321-200, fabricado em 1997 e ao serviço da companhia desde 2012, cumpria com todos os requisitos aeronáuticos e de segurança, tendo inclusivamente sido sujeito a manutenção na fábrica no ano passado.

Sugerir correcção