Incêndio numa discoteca em Bucareste faz 27 mortos

Explosão e incêndio numa cave da capital romena fez 184 feridos, alguns em estado grave. Discoteca tinha apenas uma saída de emergência.

Fotogaleria
Dezenas de meios de socorro acorreram ao local do sinistro REUTERS/Inquam Photos
Fotogaleria
O estado de pelo menos 25 pessoas foi descrito como extremamente grave REUTERS/Inquam Photos
Fotogaleria
REUTERS/Inquam Photos
Fotogaleria
REUTERS/Inquam Photos
Fotogaleria
REUTERS/Inquam Photos

Uma explosão seguida de um incêndio numa discoteca na capital da Roménia matou 27 pessoas e feriu outras 184, muitas delas com gravidade. Ao que as investigações preliminares indicam, o incidente foi causado pelas instalações pirotécnicas que acompanhavam um concerto, na sexta-feira à noite, ao qual assistiam entre 300 a 500 pessoas. O Presidente romeno aponta o dedo à organização, que parece não ter seguido as normas de segurança para o espectáculo.

“Estou triste, transtornado mas também revoltado que uma tragédia destas dimensões possa acontecer no centro de Bucareste”, disse Klaus Iohannis, já depois de decretados três dias de luto nacional. “Os indícios mostram que as regulações não foram respeitadas”, sentenciou, indicando, contudo, que há uma investigação em curso.

A localização e os meios de segurança da discoteca, a Colectiv Club, construída na cave de uma antiga fábrica de sapatos da era soviética, parecem ter contribuído para a gravidade do incidente. As testemunhas indicam que o espaço tinha apenas uma saída de emergência. Parte das vítimas foi causada por esmagamento, para além de queimaduras e de intoxicação por inalação de fumo.

A imprensa local avança que a explosão aconteceu perto do final do concerto da banda de rock romena, Goodbye to Gravity. O tecto da discoteca incendiou-se e o fogo alastrou-se rapidamente pelo material de isolamento acústico, o que gerou pânico e vários esmagamentos.

“As pessoas desapareceram no fumo”, disse um dos espectadores que escapou ileso ao incêndio, Victor Ionescu, citado pela AFP. “Foi um caos total, as pessoas estavam a esmagar-se”, acrescentou.

Alin Panduru, que esteve também na discoteca, disse que o fogo se alastrou no espaço de 30 segundos. “As pessoas não podiam sair da discoteca porque havia apenas uma porta aberta e o esmagamento gerou-se imediatamente”, declarou.

Todos os mortos já identificados são cidadãos romenos, embora haja sete vítimas ainda por identificar. Há dois espanhóis, um italiano e um alemão entre os feridos. Os dois guitarristas da banda morreram e o resto do grupo está em estado considerado grave.

"É uma enorme tragédia", declarou o ministro romeno do Interior, Gabriel Oprea, em declarações à estação de TV privada Antena 3, a partir do local, ainda na sexta-feira do incidente. Dezenas de ambulâncias e veículos de bombeiros acorreram para socorrer as vítimas e foi montado um centro de crise no exterior da discoteca para atender às situações mais urgentes. Oprea admitiu que o número de mortos pode aumentar, visto que há pelo menos dez pessoas em estado crítico.