Eventual moção de rejeição conjunta de PS, PCP e BE não foi ainda discutida

Jerónimo de Sousa surpreendido com afirmações do líder parlamentar bloquista admitindo um só texto dos três partidos e diz que a questão nunca foi levantada nas reuniões bilaterais com PS e BE.

Jerónimo de Sousa defendeu que "35 anos de políticas de direita" acabaram com marinha mercante
Foto
Jerónimo de Sousa defendeu que "35 anos de políticas de direita" acabaram com marinha mercante Nuno Ferreira Santos

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse esta quinta-feira que uma eventual moção conjunta - com PS e Bloco de Esquerda - de rejeição ao Governo não foi ainda discutida nas reuniões à esquerda. Pedro Filipe Soares, do BE, admitiu essa hipótese.

Tal questão, indicou o líder comunista, "nunca esteve presente nas reuniões bilaterais" feitas com outras forças políticas à esquerda, nomeadamente PS e BE.

Jerónimo de Sousa falava na sede do PCP, em Lisboa, no final de um encontro com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof). Questionado sobre o porquê de não se apresentar uma eventual moção conjunta, o secretário-geral do PCP devolveu: "E porque não uma moção separada?".

Antes, o BE, pelo líder parlamentar Pedro Filipe Soares, demonstrou "disponibilidade" para uma moção conjunta. Em declarações aos jornalistas no parlamento, citadas pela TVI 24, o bloquista diz haver a "possibilidade real" de tal suceder: "Temos ainda tempo para o fazer. Diz o regimento que a moção de rejeição deve ser apresentada nos dias do debate [do programa do Governo, a 9 e 10 de Novembro]. Falta mais de uma semana até lá, por isso temos tempo para fazer uma boa moção de rejeição", afincou.

"Medidas urgentes" para repor salários e pensões
Jerónimo de Sousa foi também questionado sobre o ponto das negociações com o PS, nomeadamente em torno da devolução ou não de rendimentos (salários e pensões). Realçando que esse é um ponto "importante", reiterou que em prol da "honestidade e seriedade" das conversações, não é ainda altura de detalhar um eventual acordo.

"Estamos a discutir a necessidade de medidas urgentes que reponham aquilo que foi cortado aos trabalhadores, reformados, empresários. Como é que chegamos lá? É este o ponto em que nos encontramos", sustentou.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, apresentou na reunião com os comunistas várias "medidas e preocupações" para o sector da educação que, advoga o sindicalista, um eventual executivo à esquerda deve ter em conta. "Esperamos uma convergência de forças à esquerda", declarou Nogueira, para quem é essencial "poder inverter algumas políticas" tidas pela Fenprof como "extremamente negativas".

Nuno Crato, antigo ministro da Educação, não foi reconduzido no Governo que toma posse nesta sexta-feira, o que prova, advoga Mário Nogueira, que a sua "fidelidade" política e partidária "não resistiu à incompetência e à forma como [Crato] atacou e fragilizou a escola pública".

"Há aspectos concretos que é possível resolver" com os partidos da esquerda, insistiu Nogueira.

A Fenprof solicitou reuniões às direcções dos partidos com representação parlamentar para manifestar as suas preocupações face à situação da educação, e apresentar as suas propostas para o futuro imediato, sintetizadas num conjunto de 12 medidas, entre as quais o processo de municipalização iniciado há dois meses em quinze municípios.

A reunião com o PCP foi a primeira, sendo que esta tarde há ainda um encontro com uma delegação do partido ecologista "Os Verdes", que concorreram coligados com os comunistas nas legislativas.