Refugiados: Merkel não cede mas a pressão nunca foi tanta

Democratas-cristãos querem que chanceler feche as portas que abriu em Agosto aos refugiados. Com a Alemanha a receber dez mil pessoas por dia, a ansiedade instala-se.

Foto
Merkel insiste que a Alemanha "pode e vai conseguir" intregrar as centenas de milhares de refugiados Fabrizio Bensch/Reuters

Angela Merkel ainda é a líder política mais popular da Alemanha e a mais poderosa da Europa, mas a crise dos refugiados – que o país está a acolher a um ritmo de quase dez mil pessoas por dia – mudou a forma como os alemães olham para a sua chanceler, criticada agora como nunca antes tinha sido. Os ataques mais ferozes têm partido do seu campo político, onde a revolta contra a política de fronteiras abertas deixou de ser feita em surdina, ao ponto de só não se estar ainda a discutir a sua liderança por não haver nenhum óbvio sucessor.

Mostrando uma determinação que contraria a sua natural inclinação para a cautela, a chanceler alemã responde aos desafios políticos e aos pedidos de auxílio das regiões com aquele que se tornou o seu mantra: “Wir schaffen das” (“Nós conseguimos fazer isto”). “Eles são muitos, mesmo muitos, mas nós somos 80 milhões. Podemos e vamos conseguir fazer esta integração”, repetiu Merkel no fim-de-semana na Baviera, o estado na linha da frente do acolhimento dos refugiados, elogiando o esforço dos milhares de voluntários.

Mas são cada vez mais os que duvidam do optimismo da chanceler e há razões para isso. O ritmo de chegadas não abranda, os centros de acolhimento estão lotados e há cada vez mais refugiados a viver em tendas. Os pedidos de asilo acumulam-se sem que os serviços de imigração sejam capazes de acelerar os processos. Os grupos xenófobos ganham força e aumentam os ataques a centros de acolhimento (500 só este ano).

A ansiedade instala-se perante a sensação de que o Governo está a perder o controlo da situação – Berlim admite que os 800 mil refugiados que previa acolher até ao final do ano serão afinal um milhão ou mais. Para lhe responder, Merkel endureceu as condições de acolhimento (reduziu as ajudas aos refugiados e alargou a lista de países considerados seguros) ao mesmo tempo que aumentou as verbas atribuídas às autarquias e regiões. Na frente externa, forçou os parceiros europeus a aceitar a redistribuição de 160 mil refugiados e tem liderado a ofensiva diplomática para conseguir a colaboração da Turquia no controlo do fluxo migratório.

Mas o ritmo de chegadas ao país não dá sinais de abrandar e a União Europeia está mais dividida do que nunca na resposta à crise – uma crise que vários líderes europeus, com o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban à cabeça, a acusam de ter agravado quando, em Agosto, anunciou que o país iria acolher todos os sírios que chegassem ao país. As sondagens mostram que já mais de metade dos alemães não acredita que o país tem capacidade para acolher muito mais refugiados.

Habituada a uma popularidade invejável, Merkel passou a ouvir insultos nas ruas, a ser atacada nos jornais e cada vez mais criticada pelos correligionários democratas-cristãos que até há dois meses a idolatravam. O fim do tabu ficou claro há duas semanas, numa conferência regional da CDU na Saxónia, onde entre a multidão de delegados críticos da actual política alguém ergueu uma placa onde se lia: “Parem o caos dos refugiados – deponham Merkel”. “Os ânimos estão em efervescência”, disse à Deutsche Welle o deputado berlinense Axel Fischer, explicando que o partido “espera um forte sinal de Merkel, espera que ela faça abater esta maré de refugiados”.

A rebelião tem um protagonista, Horst Seehofer, o chefe do governo bávaro e da CSU, o partido irmão dos democratas-cristãos na Baviera, que detém 56 dos 311 lugares dos democratas-cristãos no Bundestag. Ele, que desde o início exige à chanceler que arrepie caminho, diz agora que o Governo tem até domingo para repor os controlos fronteiriços. “Se isto não acontecer iremos ponderar outras medidas”, avisou Seehofer, que no passado fez outras ameaças que não concretizou.

Mas com a CDU-CSU a cair nas sondagens – tem 35% das intenções de voto, menos sete pontos do que no Verão – e várias eleições estaduais à porta, a pressão sobre Merkel aumenta. Wolfgang Schaeuble, o ministro das Finanças e potencial candidato à sucessão, foi citado pela revista Der Spiegel a descrever o ambiente no país como “dramático” e a imprensa alemã revelou que mais de metade dos deputados democratas-cristãos apoia uma proposta de lei que, entre outras medidas, admite a construção de vedações nas fronteiras.

“Felizmente para Merkel não existe um sucessor natural”, escreveu o Financial Times, o jornal onde na terça-feira o Gideon Rachman antecipava que “a crise dos refugiados na Alemanha significa provavelmente o fim da era Merkel”. O colunista afirma que se o Inverno fizer abrandar o número se recém-chegados, Berlim terá algum tempo para se reorganizar, mas se o ritmo não abrandar, “as pressões para a demissão de Merkel vão aumentar”. Mas, vaticina, seja qual for o futuro político da chanceler, “a década dourada” em que o país prosperou “mantendo a uma distância segura os problemas do mundo” faz agora parte do passado.