Isabel dos Santos formaliza compra da Efacec Power Solutions

Empresa vai ser liderada por Ângelo Ramalho.

A Santoro de Isabel dos Santos continua a defender a sua proposta de fusão com o BCP como a melhor para o BPI
Foto
A Santoro de Isabel dos Santos continua a defender a sua proposta de fusão com o BCP como a melhor para o BPI Fernando Veludo/NFACTOS

Isabel dos Santos, em parceria com uma empresa estatal angolana, a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), formalizou esta sexta-feira a aquisição da maioria do capital da Efacec Power Solutions, que representa o alargamento dos investimentos da empresária angolana em Portugal para o sector industrial (operando nas áreas da energia, ambiente e transportes).

De acordo com o comunicado enviado pela Winterfell, empresa veículo criada em Malta para esta operação (com o nome de Winterfell 2 Limited), a empresa vai ser presidida por Ângelo Ramalho, até aqui presidente do conselho de administração da Alstom Portugal. A comissão executiva integra ainda Francisco Nunes como administrador financeiro e Luís Delgado como vogal. João Bento, que era até aqui o presidente executivo da Efacec, vai liderar a Gestmin, de Manuel Champalimaud.

Os 66,1% do capital que passam agora de facto para as mãos de Isabel de Santos, em troca de cerca de 200 milhões de euros, foram vendidos pelo grupo José de Mello e pela têxtil Manuel Gonçalves, conforme foi anunciado no início de Junho.

De acordo com um comunicado enviado pela parte vendedora, “com a presente transacção, os grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves assumem o estatuto de accionistas minoritários da EPS através da MGI Capital, da qual permanecem accionistas em partes iguais, sociedade que vai deter e gerir os negócios de manutenção industrial e energias renováveis”.

Já a EPS actua na área da energia (como a produção e venda de equipamentos para redes de geração e transmissão de energia), mobilidade eléctrica, ambiente, transportes e infra-estruturas de comunicações electrónicas. Nesta última área, e de acordo com a análise feita pela Autoridade da Concorrência, um dos seus clientes é a NOS, empresa de telecomunicações detida por Isabel dos Santos e pela Sonae (grupo dono do PÚBLICO)

Embora nunca tenha sido clarificado qual a posição de Isabel dos Santos e qual a da Ende, à excepção de que a maioria do capital caberia à primeira, têm circulado noticias em Angola de que a Ende, detida a 100% pelo Estado angolano e presidida por Francisco Talino, ficou com 40% da Winterfell.

No passado dia 16, um comunicado da delegação portuguesa no Grupo dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu deu conta que quatro eurodeputados do Intergrupo Parlamentar para a Integridade e Transparência, onde se inclui a eurodeputada do PS Ana Gomes, pediram a várias instituições, como o Grupo de Acção Financeira Internacional (GAFI), que fosse analisada a legalidade do negócio "face à legislação europeia anti-branqueamento de capitais".