Investimento directo de Portugal em Angola encolheu 1554 milhões num ano

Entre Junho de 2014 e Junho deste ano a quebra foi de 41%, passando o total do capital investido neste mercado dos 3784 milhões de euros para 2229 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal.

Foto
Manuel Roberto

O investimento directo das empresas portuguesas em Angola sofreu uma forte redução entre Junho do ano passado e Junho deste ano, com a queda a atingir os 1554 milhões de euros. No período em análise (Junho é o último mês para o qual há dados disponíveis), a descida foi de 41%, passando o total (stock) do capital investido neste mercado dos 3784 milhões de euros para 2229 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal.

A queda verificada no investimento directo neste país desde que começou a baixa do preço do petróleo (que está a provocar problemas às contas públicas e à economia angolana) confirma o arrefecimento deste mercado, já evidenciado pela quebra das exportações (que nos primeiros oito meses do ano desceram 26,5%, o equivalente a 518 milhões). Logo no segundo semestre do ano passado houve um recuo significativo do investimento em Angola, já que em Dezembro o valor estava nos 2579 milhões de euros.

Na análise que fez às relações com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, divulgada na sexta-feira, o Banco de Portugal destacou que no ano passado se tinha invertido a tendência verificada nos quatro anos anteriores. Em 2014, sublinhou o banco central, “Portugal fez desinvestimentos líquidos de 411 milhões de euros no conjunto daqueles seis países, após ter investido valores entre 250 milhões e quase 430 milhões, de 2010 a 2013”. Este valor, no entanto, peca por defeito, já que houve uma subida face a Moçambique, o segundo maior mercado depois de Angola.

Olhando apenas para o mercado angolano, verifica-se que o valor do desinvestimento líquido chegou aos 480,7 milhões de euros, com destaque para os sectores dos serviços (com menos 265,9 milhões de euros) e, também, da construção (com menos 208,8 milhões de euros). Este valor é superior ao verificado em 2009 quando, no auge da crise financeira mundial, o desinvestimento líquido de Portugal em Angola foi de 368,5 milhões de euros (239 milhões dos serviços e 106,7 milhões da construção). “À manutenção da tendência de desinvestimento português no sector da construção, apenas interrompida em 2013, juntou-se no ano transacto o desinvestimento nos serviços, nomeadamente nas actividades financeiras e de seguros”, refere o Banco de Portugal.

Foto

Este facto terá várias explicações, como uma descida no reinvestimento dos lucros gerados neste mercado e atrasos nos pagamentos (tal como em 2009 e 2010), além da retracção das empresas portuguesas face ao travão de Angola nos investimentos públicos e no consumo.

No entanto, olhando para o sentido contrário, o investimento directo de Angola em Portugal tem vindo a subir nos últimos anos. Em Junho deste ano o capital angolano acumulado no mercado nacional estava nos 1721 milhões de euros, mais 11,3% face a Junho do ano passado. Aqui não estão contabilizadas operações que circulam por países terceiros, como foi o caso da entrada de Isabel dos Santos na Efacec, operacionalizada através de Malta. No ano passado, o investimento directo de Angola chegou aos 436,9 milhões de euros (quase 100% do total aplicado pelos PALOP e Timor-Leste), com destaque para os serviços (398,7 milhões).

Ao nível da dívida oficial de Angola a Portugal, verifica-se que esta desceu para 1203 milhões de dólares no final do ano passado (menos 250 milhões face a 2013). A diminuição do valor em dívida foi a mais expressiva entre os PALOP, graças, diz o Banco de Portugal,  à “significativa diminuição dos créditos garantidos” pelo Estado (em cerca de 25% face a 2013), e às amortizações da dívida directa de Angola, conforme estipulado no acordo de reescalonamento da dívida assinado entre os dois países em 2004. Mesmo assim, Angola ainda representa a maior fatia dos montantes devidos a Portugal, equivalente a 37,5% do valor global de 3209 milhões de dólares.