Passos convida PS para negociações e para integrar o Governo

O líder da coligação já respondeu ao secretário-geral do PS. Diz que a carta deste "frustra as expectativas", mas desafia-o a entregar nova proposta negocial para um acordo de Governo.

Foto
O último encontro entre os líderes dos dois partidos mais votados nas últimas legislativas Daniel Rocha

O presidente do PSD e líder da coligação Portugal à Frente, Pedro Passos Coelho, afirma em carta enviada este domingo ao secretário-geral do PS, que a coligação “mantém a sua inteira disponibilidade para negociar” com os socialistas com quem “comungam dos objectivos associados” à integração europeia e ao euro e “aos princípios da economia social de mercado”. E lança o desafio para negociações e para que os socialistas integrem o Governo.

Esta atitude de Passos Coelho, surgiu imediatamente na véspera, do encontro que segunda-feira, o líder do PSD manterá com o Presidente da República, Cavaco Silva, para lhe fazer o relatório das diligências que tomou de modo a tentar formar Governo.Na terça-feira o Presidente inicia a ronda de audiências com vista à formação de Governo, recebendo o PSD, o PS, o BE e o CDS. Na quarta, Cavaco ouve o PCP, o PEV e o PAN.

Na resposta à carta que lhe foi enviada sexta-feira ao fim da tarde por António Costa, Passos sublinha que se o PS “está verdadeiramente empenhado em chegar a um acordo de princípio que propicie estabilidade e governabilidade, então deverá apresentar uma contraproposta objectiva, que inclua uma base programática e medidas concretas, bem como uma proposta de metodologia alternativa à que a coligação apresentou”.

E acrescenta o convite para que os socialistas se sentem na mesa do Conselho de Ministros: Se “o PS prefere discutir estas matérias enquanto futuro membro de uma coligação de governo mais alargada, que inclua, além do PSD e do CDS, o próprio PS, então que o diga também com clareza” e esclarece que a coligação nunca excluiu tal hipótese.

Começando por dizer que a carta de Costa “frustra as expectativas de todos aqueles que contavam com a prossecução das conversas entre o PS, o PSD e o CDS com vista a um entendimento que pudesse garantir a estabilidade e a governabilidade”, o líder da coligação considera que “é sintomático que não haja um sentido construtivo discernível no conteúdo da carta” que recebeu do secretário-geral socialista.

Passos sublinha que leu o “ostensivo reparo e crítica” feitos à proposta de negociação entregue ao PS pelo PSD e CDS no dia 12 de Outubro, mas não vê na carta que recebeu na sexta-feira, 16 de Outubro, “resposta objectiva traduzida numa contraproposta como seria de esperar num interlocutor empenhado num entendimento”. E defende que, “de facto, a carta não faz mais do que repetir a linha que o PS tem usado para evitar esse entendimento com a coligação Portugal à Frente”.

Lembrando que “a coligação venceu inequívoca e expressivamente as eleições e que o PS as perdeu”, Passos conclui que “o programa eleitoral que foi sufragado maioritariamente pelos portugueses foi o da coligação”. Considera, por isso, “incompreensível que o PS responda às propostas da coligação enunciando exaustivamente medidas do seu próprio programa eleitoral, sem sequer as hierarquizar”.

O líder do PSD lembra ainda que a coligação “perante a passividade do PS” avançou com o “Documento facilitador de um compromisso”, onde incluía 23 propostas que extraiu do programam do PS, no que diz ter sido considerado como “uma base de partida para um compromisso necessário e a coerência de um futuro programa de governo que contivesse elementos dos dois programas eleitorais”. Isto sem se “subverter nem os objectivos gerais previamente anunciados” ou seja, “os compromissos europeus e as limitações orçamentais decorrentes”, nem o programa da coligação.

Explicando que a escolha das medidas socialistas feitas pela coligação obedeceu aos critérios enunciados pela comissão política dos socialistas a 6 de Outubro, e lembrando que mostraram abertura para aceitar outras medidas propostas pelo PS, afirma ainda Passos que “ninguém no país compreenderia que o PS exigisse que a coligação governasse com o programa do PS, o que constituiria uma perversão total dos resultados eleitorais”.

Na carta de Passos é também lembrado que a coligação forneceu “um conjunto muito vasto de informação económico-financeira”, que foi pedida pelo PS. E lamenta que o PS não use essa informação para negociar “mas apenas para fazer propaganda política com finalidades que estão bem longe das intenções proclamadas e mesmo para fazer sugestões e insinuações irresponsáveis sem qualquer fundamento real”.

E Passos conclui da actuação dos socialistas que “o PS prefere agir com a extrema-esquerda a negociar com partidos europeístas” e “substitui a razoabilidade que historicamente o caracterizou por um radicalismo que o país não entende”.